Compartilhe!

A Caixa Econômica Federal completou a 7ª temporada de investimentos no futebol brasileiro. Entre 2012 e 2018, a instituição bancária repassou R$ 721,4 milhões aos clubes, sendo, de longe, a maior patrocinadora do país – numa média anual, R$ 103 mi para 16 times. Entretanto, há pelo menos dois anos a empresa vem sinalizando uma redução na verba.

Começou com o congelamento (ou até redução) dos valores, estipulando bônus em caso de título – ao alcance de poucos. Nesta temporada, o número de clubes foi quase o mesmo, variando de 26 para 25, mas o dinheiro caiu de R$ 145,7 milhões para R$ 125,3 milhões, ou 20,4 milhões de diferença (-14%). Em dezembro, já eleito presidente da república, Jair Bolsonaro comentou em seu perfil oficial no twitter sobre a redução no gasto com publicidade e patrocínio em órgãos federais, incluindo a Caixa, durante o seu mandato, de 2019 a 2022. Numa ordem de grandeza, a receita para o futebol corresponde a 5% da cifra dita pelo político (R$ 2,5 bi).

A Caixa rechaçou o valor em nota à ESPN, informando que o orçamento para estes fins (publicidade e patrocínios) seria de R$ 685 milhões – logo, os dinheiro depositado nos clubes responderia por 18,2% disso. O assunto deve ser definido no primeiro trimestre, o período das assinaturas dos clubes. Redução ou extinção? O corte gradativo soa mais plausível.

Abaixo, um balanço sobre os patrocínios da Caixa nos últimos dois anos, com um comparativo sobre 2018. E a maior mudança foi no Sport, pra pior, com a redução de R$ 3,2 milhões. Neste caso, devido ao próprio clube, que só conseguiu em novembro as certidões negativas junto à Receita Federal – uma exigência do banco. Vitória e Bahia, que estavam no mesmo patamar aos olhos da instituição, conseguiram em março, garantindo a integralidade (R$ 6 mi). No caso pernambucano, o clube ainda expôs a marca na camisa por 8 meses, sem direito a retroativo.

Investimento da Caixa nos clubes brasileiros
2012 – R$ 9,4 milhões (4 clubes*)
2013 – R$ 95,9 milhões (11 clubes), +86,5 mi
2014 – R$ 111,9 milhões (15 clubes), +16,0 mi
2015 – R$ 98,9 milhões (12 clubes), -13,0 mi
2016 – R$ 134,3 milhões (21 clubes), +35,4 mi
2017 – R$ 145,7 milhões (26 clubes), +11,4 mi
2018 – R$ 125,3 milhões (25 clubes), -20,4 mi

* Os pioneiros, em 07/2012: Athletico (5,4 mi), Avaí (1,8 mi) e Figueirense (1,2 mi); o Corinthians firmou por 1,0 mi para o Mundial de Clubes, vigorando em 2013 o acordo anual de R$ 30 milhões

Ranking de patrocínios da Caixa em 2018 (em R$)
1º) 25,0 mi – Flamengo (igual a 2017)
2º) 10,8 mi – Cruzeiro* (-700 mil)
3º) 10,0 mi – Atlético-MG (-1,0 mi)
3º) 10,0 mi – Botafogo (igual)
3º) 10,0 mi – Santos (-1,0 mi)
6º) 6,8 mi – Athletico* (+800 mil)
7º) 6,0 mi – Bahia (-300 mil)
7º) 6,0 mi – Vitória (igual)
9º) 4,0 mi – América-MG (+1,5 mi)
9º) 4,0 mi – Ceará (+1,6 mi)
11º) 3,2 mi – Fortaleza* (estreou)
12º) 3,0 mi – Coritiba (-3,0 mi)
13º) 2,8 mi – Sport (-3,2 mi)
14º) 2,4 mi – Atlético-GO (1,2 mi)
14º) 2,4 mi – Avaí (-1,6 mi)
14º) 2,4 mi – Goiás (-400 mil)
14º) 2,4 mi – Ponte Preta (-1,6 mi)
14º) 2,4 mi – Sampaio Corrêa* (estreou)
14º) 2,4 mi – Vila Nova (+100 mil)
20º) 2,3 mi – Paysandu* (+300 mil)
21º) 1,5 mi – CRB (igual)
21º) 1,5 mi – Criciúma (igual)
21º) 1,5 mi – CSA (estreou)
21º) 1,5 mi – Paraná (voltou após 4 anos)
25º) 1,0 mi – Londrina (-500 mil)

* Os valores somam os bônus obtidos em títulos oficiais, com a Copa do Brasil (Cruzeiro, R$ 800 mil), Sul-Americana (Atlético-PR, R$ 800 mil), Série B (R$ 800 mil, Fortaleza), Nordestão (R$ 400 mil, Sampaio) e Copa Verde (R$ 300 mil, Paysandu)

Ranking de patrocínios da Caixa em 2017 (em R$)
1º) 25,0 mi – Flamengo
2º) 11,5 mi – Cruzeiro**
3º) 11,0 mi – Atlético-MG
3º) 11,0 mi – Santos
3º) 11,0 mi – Vasco (último contrato)
6º) 10,0 mi – Botafogo
7º) 6,3 mi – Bahia**
8º) 6,0 mi – Athletico
8º) 6,0 mi – Coritiba
8º) 6,0 mi – Sport
8º) 6,0 mi – Vitória
12º) 4,0 mi – Avaí
12º) 4,0 mi – Ponte Preta
14º) 3,6 mi – Atlético-GO
15º) 2,8 mi – Goiás
16º) 2,5 mi – América-MG**
17º) 2,4 mi – Ceará
17º) 2,4 mi – Náutico (último contrato)
17º) 2,4 mi – Figueirense (último contrato)
20º) 2,3 mi – Vila Nova
21º) 2,0 mi – Paysandu
22º) 1,5 mi – ABC (último contrato)
22º) 1,5 mi – Brasil de Pelotas (último contrato)
22º) 1,5 mi – CRB
22º) 1,5 mi – Criciúma
22º) 1,5 mi – Londrina

** Os valores somam os bônus obtidos em títulos oficiais, com a Copa do Brasil (Cruzeiro, R$ 500 mil), Série B (R$ 500 mil, América-MG) e Nordestão (R$ 300 mil, Bahia)


Compartilhe!