Compartilhe!

Julian Finney/Fifa

O meia Luka Modric conquistou os dois principais prêmios individuais da temporada. Vice-campeão mundial com a sua seleção, o croata ganhou a Bola de Ouro da Copa de 2018. Agora, somando também o desempenho no Real Madrid, atual tricampeão europeu, o camisa 10 ganhou o troféu “The Best”, oferecido pela Fifa. Assim, o jogador de 33 anos repete o feito do atacante Romário, até então o único a levar as duas premiações num mesmo ano.

Na festa em Londres, o jogador chegou como favorito absoluto, até mesmo porque também havia recebido outro prêmio, o da Uefa. Além disso, Messi ficou de fora da lista com os três finalistas. Para completar, Cristiano Ronaldo informou que não compareceria à cerimônia, devido à agenda da Juve, soando também como um indício de um novo nome no topo do futebol, após uma década inteira de revezamento entre CR7 e Messi.

Com técnica elevadíssima, visão de jogo e extrema capacidade de ditar o ritmo das partidas, Modric é, sim, um craque. Porém, conforme já debatido, não acho que o seu desempenho tenha sido o melhor – individualmente falando.

Dados dos três finalistas do prêmio da Fifa (clube + seleção)
1º) Modric (Croácia/Real Madrid) – 59 jogos, 5 gols e 11 assistências
2º) Cristiano Ronaldo (Portugal/Real Madrid) – 55 jogos, 54 gols e 11 assistências
3º) Salah (Egito/Liverpool) – 58 jogos, 50 gols e 16 assistências

Como já aconteceu em outras oportunidades, a Copa do Mundo acabou pesando mesmo na composição dos votos, embora o próprio Luka Modric não tenha sido tão regular assim na competição realizada na Rússia, onde a campanha de sua seleção, de fato, surpreendeu.

Abaixo, o balanço entre gols e assistências dos vencedores do prêmio de “melhor do mundo” nas últimas 12 temporadas, com o português e o argentino alguns degrau acima. Até mesmo a comparação a Kaká deixa Modric abaixo. Mesmo ressalvando a sua característica, de menor intensidade em relação aos três, foram apenas 16 gols com participação direta no período entre 03/07/2017 e 15/07/2018 – uma vez que o prêmio passa a seguir o calendário europeu.

Abaixo, os dados detalhados deste recorte na eleição, pontuado por uma década incrível…

O último brasileiro eleito
2007 – Kaká (Milan), 19 gols e 12 assistências em 45 jogos (31 gols combinados)

Era Messi/CR7
2008 – Cristiano Ronaldo (Manchester United), 35 gols e 10 assit. em 58 jogos (45)
2009 – Messi (Barcelona), 41 gols e 15 assist. em 64 jogos (56)
2010 – Messi (Barcelona), 60 gols e 17 assist. em 64 jogos (77)
2011 – Messi (Barcelona), 59 gols e 28 assist. em 70 jogos (87)
2012 – Messi (Barcelona), 91 gols e 22 assist. em 69 jogos (113)
2013 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 69 gols e 17 assist. em 58 jogos (86)
2014 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 61 gols e 20 assist. em 60 jogos (81)
2015 – Messi (Barcelona), 52 gols e 26 assists. em 61 jogos (78)
2016 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 55 gols e 17 assist. em 57 jogos (72)
2017 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 44 gols e 11 assist. em 47 jogos (55)

O “recomeço”
2018 – Luka Modric (Real Madrid), 5 gols e 11 assist. em 59 jogos (16)

Ranking de premiações do melhor do mundo (1991-2017)
8 – Brasil (Ronaldo 3, Ronaldinho 2, Romário 1, Rivaldo 1 e Kaká 1)
6 – Portugal (Cristiano Ronaldo 5, Luís Figo 1)
5 – Argentina (Messi 5)
3 – França (Zidane 3)
2 – Itália (Roberto Baggio 1 e Cannavaro 1)
1 – Alemanha (Matthäus)
1 – Holanda (Van Basten)
1 – Libéria (Weah)
1 – Croácia (Modric)


Compartilhe!