Compartilhe!

Léo Lemos/Náutico

Como ocorreu na estreia da Série C, em Natal, o Náutico voltou a decepcionar fora de casa, desta vez em Campina Grande, no jogo de ida da fase preliminar da Copa do Nordeste de 2020. Apagado, o timbu perdeu de virada, escapando de um placar ainda mais dilatado.

Embora o sorteio tenha colocado um adversário com tradição no torneio, com o Campinense tendo um título (2013) e um vice (2016), o Náutico era franco favorito. Até mesmo pelo processo de remontagem do vice-campeão paraibano, enquanto o alvirrubro vem numa temporada efetiva. Após o revés no domingo, Márcio Goiano promoveu algumas mudanças – além das necessárias, por questões físicas. No meio-campo, o treinador deixou Luiz Henrique no banco.

Ao contrário de outras apresentações, a atuação timbu foi baseada na posse de bola, estéril. No 1T, o visitante só foi assustar aos 29 minutos, numa boa investida de Thiago, recém-convocado à Seleção Sub 18. Oito minutos depois, em outra jogada individual, o Náutico abriu o placar. Wallace carregou a bola e bateu de fora da área, no ângulo do goleiro. Golaço. Uma vantagem importante num jogo equilibrado, truncado. A posse, que já pendia para o lado pernambucano, no 2T ficou por volta de 61%. Só que o time não soube o que fazer.

Para completar, seguidos erros defensivos, com no gol de empate, com Erivan escorando um arremesso de lateral. É uma falta de atenção grande. Não dá. Após o primeiro gol, a raposa passou a dominar as ações ofensivas. Quando pegava a bola, conseguia chegar rapidamente à meta de Bruno. Até virar o jogo, aos 18, em outra bola levantada – essa com o pé.

O zagueiro Henrique Mattos, aquele mesmo, ex-Sport, virou e por pouco não fez o terceiro, errando o chute a um metro da barra. Pregado, o Náutico parecia esperar o apito final, encarando o revés por 2 x 1 como reversível nos Aflitos, dentro de duas semanas. De fato, é. Porém, é preciso respeitar a vantagem do empate a favor de um time que se portou melhor…

Escalação do Náutico (melhor: 1 Wallace; piores: 1 Jimenez, 2 Assis, 3 Odilávio)
Bruno; Hereda, Diego, Sueliton e Assis; Josa (Fábio, 30/2T), Jimenez e Wagninho (Luiz Henrique, 30/2T; Thiago, Wallace PE e Odilávio (Cisneros, 20/2T). Técnico: Márcio Goiano

Escalação do Campinense (melhores: 1 Henrique, 2 Yerien)
Wagner Coradin; Gustavo, Henrique Mattos, Richardson e João Victor; Ferreira, James (Yerien, intervalo), Vitor Maranhão e João Paulo (Alex Mineiro, 40/2T); Lucas Lopeu e Erivan (Chaveirinho, 20/2T). Técnico: Francisco Diá

Histórico de Campinense x Náutico (todos os mandos)
30 jogos
12 vitórias alvirrubras (40,0%)
12 empates (40,0%)
6 vitórias paraibanas (20,0%)

A maratona do timbu, com 6 jogos em 18 dias
01/05 – Náutico 2 x 1 Campinense (fora, NE 2020)
04/05 – Náutico x Imperatriz (casa, Série C)
09/05 – Náutico x Botafogo (fora, NE 2019)
12/05 – Náutico x Ferroviário (casa, Série C)
15/05 – Náutico x Campinense (casa, NE 2020
18/05 – Náutico x Treze (fora, Série C)

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Celso Ishigami e João de Andrade):

Léo Lemos/Náutico


Compartilhe!