Compartilhe!

Em 17/10, o conselho da Conmebol escolheu o Mário Filho para a final da 61ª edição.

O Maracanã foi inaugurado em 16 de junho de 1950, então com capacidade para até 200 mil pessoas, visando a Copa do Mundo. Em 2014 o palco foi remodelado para o “padrão arena”, com 78.838 lugares, visando mais um Mundial. Em 2020, celebrando os 70 anos, o maior estádio do país receberá a final da Taça Libertadores da América. Será o segundo ano com a ideia de “final única”, sucedendo Santiago. O jogo no Rio será em 21 de novembro, num sábado à tarde.

No processo seletivo da Conmebol, o estádio superou 7 candidatos, incluindo 5 brasileiros. No caso, Morumbi, Mineirão, Arena do Grêmio, Beira-Rio e Arena Corinthians – entre os gringos, o Mario Kempes (Córdoba, ARG) e o Nacional (Lima, PER). Na ocasião também foi definida a final da Sul-Americana. Será em 7 de novembro, em Córdoba – que concorreu nas duas frentes.

Para a final da Libertadores de 2019, no Chile, a Conmebol liberou 24 mil ingressos para os finalistas (12 mil pra cada), de um total de 46 mil entradas. Ou seja, 52,17% da carga. No Maracanã, isso corresponderia a 41 mil ingressos (20.564 pra cada). Isso caso a entidade não fixe a carga para os clubes em 24 mil, independentemente do tamanho do estádio. A conferir.

As 15 finais da Libertadores em campo neutro (terceiro jogo)
1962 – Santos (BRA) 3 x 0 Peñarol (URU), em Buenos Aires (Monumental)
1965 – Independiente (ARG) 4 x 1 Peñarol (URU), em Santiago (Nacional)
1966 – Peñarol (URU) 4 x 2 River Plate (ARG), em Santiago (Nacional)
1967 – Racing (ARG) 2 x 1 Nacional (URU), em Santiago (Nacional)
1968 – Estudiantes (ARG) 2 x 0 Palmeiras (BRA), em Montevidéu (Centenário)
1971 – Nacional (URU) 2 x 0 Estudiantes (ARG), em Lima (Nacional)
1973 – Independiente (ARG) 2 x 1 Colo Colo (CHI), em Montevidéu (Centenário)
1974 – Independiente (ARG) 1 x 0 São Paulo (BRA), em Santiago (Nacional)
1975 – Independiente (ARG) 2 x 0 Unión Española (CHI), em Assunção (Defensores del Chaco)
1976 – Cruzeiro (BRA) 3 x 2 River Plate (ARG), em Santiago (Nacional)
1977 – Boca Juniors (ARG) (5) 0 x 0 (4) Cruzeiro (BRA), em Montevidéu (Centenário)
1981 – Flamengo (BRA) 2 x 0 Cobreloa (CHI), em Montevidéu (Centenário)
1985 – Argentinos Juniors (ARG) (5) 1 x 1 (4) América (COL), em Assunção (Defensores del Chaco)
1987 – Peñarol (URU) 1 x 0 América (COL), em Santiago (Nacional)
2018 – River Plate (ARG) 3 x 1 Boca Juniors (ARG), em Madrid (Santiago Bernabéu)*
* Mando do River (2º jogo); Conmebol mudou após a falta de segurança no Monumental

As 2 finais únicas da Libertadores
2019 – Santiago (Nacional)
2020 – Rio de Janeiro (Maracanã)

Justificativa da Conmebol na escolha (além da capacidade mínima de 40 mil)
“Os critérios avaliados ao selecionar as sedes anfitriãs serão a visão, o conceito e o legado da proposta, bem como as características técnicas do estádio e campos de treinamento, os requisitos de segurança, mobilidade e acomodação, e vários aspectos sociais, políticos, ambientais e comerciais.”

As finais da Libertadores no Rio de Janeiro (ida ou volta)
Até hoje, a única decisão da Libertadores no Maracanã aconteceu em 2008, com a LDU do Equador batendo o Fluminense nos pênaltis, diante de 86.027 torcedores. Em 1981 o Flamengo venceu o Cobreloa do Chile no Maraca, tomado por 93.985 espectadores, mas foi no jogo de ida. Em 1998, também na ida, o Vasco disputou a final em São Januário. Venceu o Barcelona do Equador (lá e lô).

Leia mais sobre o assunto
Os 61 estádios localizados na América do Sul a partir de 40 mil lugares


Compartilhe!