Compartilhe!

Claudio Gomes/Afogados FC

Em sua 3ª participação no Campeonato Pernambucano, o Afogados fez história no Arruda ao eliminar o Santa e chegar à semifinal pela 1ª vez. Após uma partida segura, a coruja avançou nos pênaltis e tornou-se o 5º time do interior a alcançar o G4, junto a Salgueiro (7x), Central (3x), Porto (1x) e Ypiranga (1x), considerando o período com mata-mata, implantado em 2010. Já o tricolor não ficava fora do G4 em dois anos seguidos desde 2007/2008.

A noite chuvosa no Recife já pode ser considerada a maior do caçula do estado, com menos de 6 anos de atividade. É a sequência de uma temporada já marcada pela classificação à Série D, de 2020, com direito à carreata em Afogados da Ingazeira, a 386 km da capital. Imagine agora? O município, de apenas 37 mil moradores, segue na disputa, com uma semifinal marcada contra o Náutico, em outra viagem ao litoral.

Até lá, o time de Pedro Manta – nome recorrente entre os clubes intermediários – terá tempo para se recuperar e aprimorar a atuação vista no Mundão. Um jogo competitivo numa noite em que o adversário, franco favorito, pouco fez. No 1T, o tricolor foi quase nulo ofensivamente. À parte da reclamação sobre um pênalti não marcado em Augusto (que acabou substituído após a trombada), o Santa foi inoperante na criação, na intensidade e nas finalizações – tentando chegar basicamente via cruzamentos. Conseguindo se defender bem, o visitante foi ganhando confiança para arriscar, com três boas chances a partir dos 30 minutos. Na terceira, já aos 44, a coruja abriu o placar, numa cabeçada do atacante Rodrigo – 4º gol nos últimos 6 jogos. Lance sucedido pela vaia do povão,

No 2T, a estratégia do visitante visava acertar um contragolpe em velocidade. Até engatou alguns, mas falhou na finalização. Quanto ao Santa, o gol de empate saiu aos 20 minutos, com Allan Dias escorando uma cobrança de falta. Na ocasião, Neto Costa estava pronto para substituí-lo, o que mostra a insatisfação de Leston com a sua equipe, apesar das classificações até então (3ª fase na Copa do Brasil e quartas no Nordestão). Nenhum time teve uma chance clara para virar desempatar, com a disputa se estendendo às penalidades, que não ocorriam no Estadual desde 2016 (Salgueiro x Sport, na semi). Os corais até saíram na frente, com Anderson pegando uma bola, mas depois Wallef espalmou os chutes de Neto e Patrick Vieira, com Allan Dias batendo por cima. Coube ao lateral-esquerdo Thalisson fechar a conta, com a grande zebra da competição até aqui. Porém, com toda justiça, jogando futebol.

Escalação do Santa (melhor: Allan Vieira; piores: 1 Luiz Felipe, 2 Patrick Vieira)
Anderson; Marcos Martins (Neto Costa, 33/2T), João Victor, William e Bruno Ré; Lorenzi, Ítalo e Allan Dias; Luiz Felipe (Patrick Veira, 7/2T), Pipico e Augusto (Elias, 14/1T). Técnico: Leston Júnior

Escalação do Afogados (melhores: 1 Wallef, 2 Rodrigo, 3, Thalison)
Wallef; Jader, Oséas, Márcio e Thalison; Douglas, Gustavo, Léo Cotia (Grafite, 23/2T) e Candinho (Juninho, 37/2T); Diego Ceará e Rodrigo (Mádson, 33/2T). Técnico: Pedro Manta

Os três confrontos na história (2V dos corais e 1E)
1º) 14/02/2018 – Afogados 0 x 1 Santa Cruz (Vianão)
2º) 20/01/2019 – Santa Cruz 4 x 1 Afogados (Arena PE)
3º) 27/03/2019 – Santa Cruz (1) 1 x 1 (3) Afogados (Arruda)

Afogados no Estadual na era do mata-mata
2010 – não disputou
2011 – não disputou
2012 – não disputou
2013 – não disputou
2014 – não disputou
2015 – não disputou
2016 – não disputou
2017 – Fase preliminar (8º lugar)
2018 – Quartas (8º lugar)
2019 – Semifinal (a disputar, vs Náutico)
Desempenho (2 duelos; 50% de aproveitamento): 1 classificação e 1 eliminação

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Rafael Brasileiro e João Pereira):

Claudio Gomes/Afogados FC


Compartilhe!