Compartilhe!

Quantos títulos estaduais já foram celebrados no futebol pernambucano em toda a história? Ampliando a pergunta para todas as categorias acessíveis aos clubes da primeira divisão, num total de oito e num período superior a um século de bola rolando, o número chega a 407.

O blog levantou todas as edições com dados conhecidos, com o objetivo de rankear os maiores vencedores das competições organizadas pela FPF – independentemente do peso natural de cada disputa, obviamente. De 1915 até 2018, já com a temporada local encerrada, 23 clubes já conquistaram algum troféu neste cenário, incluindo competições extintas, como o Torneio Início e o Campeonato de Aspirantes. Com 329 taças, o trio de ferro abocanhou 80,8% dos títulos. Num recorte só com o interior, são 22 taças, ou 5,4%. A seguir, o resumo de cada campeonato e os principais vencedores. No fim do post, o quadro com todos os campeões e o ranking absoluto.

Em relação aos seis campeões de 2018, cito também o vencedor da segunda divisão estadual. Apesar do título de caráter oficial, a conquista não entra no ranking pois, obviamente, não preenche o pré-requisito de “primeira divisão”, independentemente da categoria.

Os campeões pernambucanos em 2018

– Profissional (Série A1), Náutico (22º título)

– Profissional (Série A2), Petrolina (3º título)

– Sub 20 (júnior), Porto (4º título)

– Sub 17 (juvenil), Náutico (9º título) 

– Sub 15 (infantil), Sport (11º título, penta)

– Feminino (aberto), Sport (7º título, bi)

08/04 (Série A1) - Foram quase 14 anos sem título, mas a desforra veio diante de 42 mil torcedores na Arena PE, recorde entre clubes. Ao vencer a patativa por 2 x 1, o Náutico confirmou uma campanha segura, com 8V, 5E e apenas 1D. Foi, também, o campeão de público da 104ª edição do Estadual. Foto: Léo Lemos/Náutico
« 1 de 6 »

Abaixo, a evolução de títulos dos clubes da capital, década por década, numa soma de todas as categorias estaduais. Sem surpresa, o recorde alvirrubro foi estabelecido na década de 1960, quando foi hexacampeão pernambucano. Ao todo, o timbu faturou 18 títulos.

No tricolor, a década mais prolífica foi a de 1970, claro. Foram 17 conquistas, com direito a quatro taças nas quatro competições disputadas em 1971. Já o Sport quebrou o recorde na década de 1990, com 19 títulos, ampliando a marca no período seguinte, com 22 taças em seis categorias distintas. Note que até os anos 70 o América também beliscava alguns troféus.

Nº de décadas com domínio geral de taças locais: Sport 7x, Santa Cruz 4x e Náutico 1x

A origem das oito competições listadas no ranking e os principais vencedores…

Campeonato Pernambucano (Série A1) – 104 edições e 7 campeões
É a competição mais antiga do estado e a única realizada de forma contínua desde a primeira edição, há mais de cem anos. No passado, o campeonato estadual chegou a ser apelidado pela imprensa de “campeonato citadino”, numa referência ao Recife, pois todos os participantes eram sediados na capital. Somente em 1937 houve a primeira participação do interior, com o Central – curiosamente, também foi o ano que marcou o início do profissionalismo no futebol local.

Maiores vencedores
1) Sport, 41
2) Santa Cruz, 29
3) Náutico, 22

Torneio Início – 63 edições e 10 campeões
Também chamado de “Festival da Liga”, devido ao antigo nome da federação pernambucana, a disputa ocorria inteiramente em um dia, num só estádio, envolvendo os times principais dos clubes presentes do Estadual. Como? Reduzindo o tempo das partidas de 90 para apenas 20 minutos, num formato eliminatório simples, com quartas, semifinal e final. O “Torneio Initium” era uma espécie de confraternização entre os clubes filiados no início da temporada. Durou de 1919 a 1981.

Maiores vencedores
1) Sport, 18
2) Náutico, 14
3) Santa Cruz, 12

Copa Pernambuco – 18 edições e 9 campeões
Nos anos 90, com o crescimento do tempo de disputa do Campeonato Brasileiro, a FPF criou um torneio para movimentar os clubes à parte do nacional no segundo semestre. No entanto, a copa estadual – comum também em outras federações – acabou contando com a participação dos clubes da capital, envolvidos no nacional. No caso do trio de ferro, quase sempre com equipes reservas – ou com jogadores da base. Entre as competições masculinas, é a que teve menos edições.

Maiores vencedores
1) Manchete (ex-Recife FC) e Santa Cruz, 4
3) Sport, 3

Aspirante – 60 edições e 10 campeões
Começou em 1916, na disputa dos “segundos quadros”. Ou seja, dos times reservas – lembrando que não havia substituição na época, então a definição entre titulares (1º quadro) e reservas (2º quadro) servia para a composição dos respectivos torneios. Mudou de nome 2x, em 1939 (amador) e 1953 (aspirantes), tornando-se intermitente nos anos 70 e acabando em 1996. Na lista de campeões existem algumas lacunas , com a dificuldade no acervo dos jornais e no arquivo da FPF.

Maiores vencedores
1) Santa Cruz, 24
2) Náutico, 17
3) Sport, 8

Sub 20 (júnior) – 93 edições e 8 campeões
O primeiro campeonato de base em Pernambuco correspondeu à disputa dos “terceiros quadros”, em 1920. O torneio de “team inferior”, com jovens de 11 a 16 anos, com no máximo 1,60m (!), durou até 1930, tendo jogos de 50 minutos. Depois, foi renomeado para “campeonato juvenil” – isso mesmo, o juvenil era o que hoje chamamos de júnior. Virou júnior, de fato, em 1979. Ao longo dos anos, a faixa de idade foi variando, 13-17, 14-20, 16-19, 18-20 e, finalmente “no máximo 20 anos”.

Maiores vencedores
1) Sport, 34
2) Santa Cruz, 28
3) Náutico, 21

Sub 17 (juvenil) – 30 edições e 7 campeões
Em 1980, a federação pernambucana resolveu dividir o campeonato da base em duas faixas etárias, com 18-20 anos para o júnior e 15-17 anos para o juvenil. No caso do Sub 17, a lista está incompleta, com a ausência de alguns campeões na década de 1980 – ou mesmo a informação se houve disputa. Em 1995, a competição foi reformulada pela FPF, ganhando um caráter “aberto”, tanto para filiados profissionais quanto amadores. Desde então, só não foi realizada em 2006.

Maiores vencedores
1) Sport, 13
2) Náutico, 9
3) Santa Cruz, 4

Sub 15 (infantil) – 23 edições e 8 campeões
Trata-se da categoria oficial do futebol local com a menor idade. O campeonato estadual foi criado em 1995, nos mesmos moldes do juvenil. Ou seja, é um torneio aberto – tanto que já surgiram surpresas, como os títulos de Grêmio de Jaboatão e São Paulo da UR-11, ambos amadores. Desde a criação, só não foi realizado em 2006. Outra curiosidade é o tempo de duração dos jogos no infantil: 70 minutos – a diferença se deve à maturação física dos atletas, ainda em desenvolvimento.

Maiores vencedores
1) Sport, 11
2) Náutico, 4
3) Santa Cruz, 3

Feminino – 16 edições e 3 campeões
Na década de 1980, os clubes do Recife chegaram a montar times femininos, mas limitaram-se a amistosos. Somente em 1999 houve o primeiro Estadual, com o Clássico das Multidões na decisão – e o histórico “gol de bunda” da atacante Jô, do Sport. Após duas edições veio um hiato de quatro anos. Desde 2005, a disputa é regular, mesmo com edições curtas e com quase todos os times amadores – porém, a CBF passa a exigir departamentos femininos a times da Série A partir de 2019.

Maiores vencedores
1) Vitória e Sport, 7
3) Náutico, 2

A seguir, confira o quadro com todos os campeões ano a no, campeões e vices de cada categoria e o ranking absoluto. No topo de cada tópico você pode selecionar a seta para cima ou para baixo, com ordem numérica ou alfabética. Caso esteja num celular, você pode virar a tela para visualizar o quadro de melhor forma. Obs. “n/i” significa “não informado”.


Compartilhe!