Compartilhe!

Santa Cruz/twitter (@santacruzfc)

No jogo de ida, no Maracanã, a superioridade do Fluminense deixou a vantagem “maior” que o placar de 2 x 0. Ao Santa Cruz, era preciso fazer a sua melhor atuação no ano, como na fase anterior, diante do ABC, para almejar a classificação às oitavas da Copa do Brasil. E desta vez, como se sabe, diante de um adversário bem mais técnico e preparado.

Pra começar, a torcida comprou o barulho, com 25 mil torcedores no Arruda. Em campo, uma partida muito diferente, com intensidade (e efetividade) por parte do tricolor pernambucano, tudo o que não se viu no Rio.

O Flu até criou duas boas chances para abrir o placar, mas depois o Santa cresceu e arrancou uma vitória merecida – a primeira diante deste adversário em 20 anos. O primeiro gol demorou a sair, mas já estava maduro. Augusto e Charles já haviam acertado o travessão, no 1T e 2T, respectivamente. Por volta dos 27 minutos, numa bola levantada, Jô aproveitou o desvio e marcou. Logo depois, aos 29, com o povão empurrando, Augusto puxou um contragolpe e driblou o goleiro Rodolfo, que se recuperou por um triz, não o suficiente para evitar Pipico, que pegou o rebote e chegou a 5 gols no torneio – é um dos artilheiros.

Ao devolver o 2 x 0, o Santa já cumpria a meta de realizar a sua melhor apresentação. Nos pênaltis, então, o destino da vaga e da cota de R$ 2,5 milhões. Como nas três disputas neste ano, todas no Arruda (haja pênalti!), Anderson até defendeu uma cobrança, mas os corais acabaram desperdiçando três, com Charles por cima e Marcos Martins e William Alves parando no goleiro carioca, 2 x 3. Eliminação sob aplausos de reconhecimento, num revés difícil de digerir após uma “buscada” desse porte. Ao mesmo tempo, pontuando de forma racional, o Santa deve chegar competitivo na Série C, a principal meta do ano. E acessível.

Escalação do Santa Cruz (melhores: 1 Augusto, 2 Pipico)
Anderson; Marcos Martins, João Victor, William Alves e Carlos Renato; Charles, Ítalo e Patrick Vieira (Guilherme Queiroz, 25/2T); Dudu (Jô), Pipico e Augusto (Elias, 37/2T). Técnico: Leston Júnior

Escalação do Fluminense (melhor: Rodolfo)
Rodolfo; Gilberto, Matheus Ferraz, Nino e Caio Henrique (Léo Artur); Airton, Bruno Silva e Allan; Everaldo, Luciano e Yone Gonzalez (Pedro). Técnico: Fernando Diniz

Histórico geral de Santa Cruz x Fluminense
31 jogos
4 vitórias do Santa (12,9%)
11 empates (35,4%)
16 vitórias do Flu (51,6%)

Cotas do Santa na edição de 2019
1ª fase – R$ 525 mil (vs Sinop-MT, 2 x 1)
2ª fase – R$ 625 mil (vs Náutico-PE, 1 x 1, com 4 x 2 nos pênaltis)
3ª fase – R$ 870 mil (vs ABC-RN, 0 x 1 e 3 x 0)
4ª fase – R$ 1,9 milhão (vs Fluminense-RJ, 0 x 2 e 2 x 0, com 2 x 3 nos pênaltis)
Total arrecadado: R$ 3,92 milhões, recorde do clube no torneio

Santa Cruz na Copa do Brasil (1989-2019)
92 jogos em 25 participações
Desempenho: 37V, 20E e 35D
50 confrontos: 25 classificações e 25 eliminações

A análise do Podcast 45 Minutos (Fred Figueiroa, Rafael Brasileiro e João Pereira):

Lucas Merçon/ FFC


Compartilhe!