Compartilhe!

O Esporte Interativo detém os direitos de transmissão da Copa do Nordeste até 2022. Trata-se de um contrato de dez anos, em vigor desde 2013 e abrangendo todas as plataformas possíveis na televisão. Na prática, o Nordestão é exibido em três formatos, em sinal aberto, na tevê por assinatura e em plataformas digitais. O maior peso da audiência está, naturalmente, na tevê aberta. No caso, o EI sublicencia os direitos a cada ano. Até hoje, foram transmissões ao vivo limitadas à região, com a Gobo exibindo de 2013 a 2017 e o SBT em 2018.

O anúncio do encerramento do Esporte Interativo deixou uma séria dúvida sobre a transmissão da Lampions League em 2019. Na tevê fechada, o cenário parece fadado – ao menos no EI, que deve focar a Champions League e o Campeonato Brasileiro.

Com os clubes apreensivos neste primeiro momento, a direção do SBT Nordeste soltou logo uma nota oficial garantindo o plano acordado. Abaixo, a íntegra do texto. Na sequência, faço algumas obervações.

Nota do SBT Nordeste

“Diante do anúncio nesta quinta-feira, 9 de agosto de 2018, de descontinuidade do canal Esporte Interativo pela programadora Turner, as emissoras afiliadas que compõem o SBT Nordeste vêm a público esclarecer que todos os compromissos e responsabilidades de transmissão da competição esportiva da Copa do Nordeste na TV aberta estão assegurados e mantidos para o ando de 2019, reforçando o compromisso das emissoras no fortalecimento e consolidação da competição nordestina de futebol de maior sucesso esportivo na região.

O time de afiliados será reforçado para trazer em 2019 o melhor e mais bonito do futebol nordestino para seu público, desejando superar no próximo ano os resultados positivos e relevantes alcançados em 2018, que contou com a transmissão de 12 jogos por praça, diversos momentos de liderança e mais de 250 milhões de impactos por minuto.

O SBT Nordeste agradece a todos os parceiros comerciais envolvidos neste grandioso projeto e assegura para o ano de 2019 a continuidade de todos os compromissos firmados.”

Cinco observações do blog sobre o (possível) impasse:

1) Na prática, essa garantia deveria significar receita. O interesse do SBT em manter o torneio na grade regional é óbvio, pois os índices de audiência foram acima da média da TV Jornal, chegando a liderar em alguns momentos – embora, num comparativo com a emissora anterior, não tenha chegado à metade dos pontos no Ibope (10 x 24). O apoio da Liga do NE, que seguiu a mesma linha, era ainda mais esperado, por se tratar da parte mais interessada.

2) O valor para a bancar o Nordestão é de pelo menos R$ 30 milhões, o investimento feito em 2018, somando as cotas (R$ 22,4 mi) e logística/marketing (R$ 7,6 mi). Em 2019, por exemplo, as cotas serão maiores, chegando a R$ 26,4 milhões. Bancar este acordo é a verdadeira garantia de transmissão, que terá 12 datas, com possibilidade de desmembramento da tabela.

3) Até onde se sabe, o SBT Nordeste sublicenciou o Nordestão 2018 a custo baixo, pois o Esporte Interativo precisava oferecer a competição na tevê aberta – mídia desfeita após a saída da Globo, que sempre bancou boa parte das receitas do torneio. Sem o EI na jogada, desconsiderando alguma cláusula contratual, o SBT Nordeste teria que assumir um investimento maior. Isso inclui, também, a própria estrutura de transmissão, uma vez que o sinal mostrado era o mesmo produzido (ainda que de forma terceirizada) pelo EI.

4) A edição de 2018, vencida pelo Sampaio, teve 10 patrocinadores: Schin, Caixa, Pitú, Amanco, Germed, Vedacit, Maratá, Yes, GBarbosa e TCL. Boa parte das cotas é bancada pelas marcas expostas, com os canais repassando um % disso aos clubes. A renovação e a renegociação desses contratos são o ponto-chave deste processo. Porém, com visibilidade regional.

5) Os direitos de TV da Lampions seguem com a empresa controladora do Esporte Interativo, até porque o canal seguirá existindo na internet, segundo o seu comunicado – ou seja, em tese, a empresa responsável segue em atividade. Logo, qualquer movimentação para um torneio paralelo pode ter como entrave o contrato atual, que precisa ser colocado em prática…

A cota absoluta da Copa do Nordeste via TV
2000 – R$ 2 milhões*
2001 – R$ 8 milhões**
2002 – R$ 8,75 milhões
2003 – R$ 1,5 milhão***
2010 – R$ 3,75 milhões****
2013 – R$ 5,6 milhões
2014 – R$ 10 milhões
2015 – R$ 11,14 milhões
2016 – R$ 14,82 milhões
2017 – R$ 18,52 milhões
2018 – R$ 22,40 milhões****
2019 – R$ 26,40 milhões****
* A primeira edição transmitida em sinal aberto
** A primeira edição organizada pela liga, com os sete maiores clubes
*** Bahia, Sport, Santa Cruz, Náutico e Fortaleza não quiseram participar
**** Sport não quis participar


Compartilhe!