Compartilhe!

Ramon Smith/Treze FC

Foi o pior jogo do Santa sob o comando de Milton Mendes, nesta segunda passagem. Até então invicto, o técnico não conseguiu fazer o time ser competitivo sem o atacante Pipico, que desfalcou o tricolor no Amigão devido ao terceiro cartão amarelo. E o setor ofensivo foi nulo.

Para a função de “9”, o escolhido foi Guilherme Queiroz, que passou a peleja marcado e quase sem finalizar. A diferença de Pipico – com 16 gols em 22 jogos em 2019 – em relação os substitutos é grande e já era conhecida, mas em Campina Grande acabou sendo fatal para a inoperância. É importante destacar que o Treze, que vinha de três derrotas, fez uma boa partida. Foi melhor nos 90 minutos, com as melhores chances no 1T e no 2T. Não por acaso, fez um gol em cada tempo.

O primeiro saiu com atacante Vanger, que recebeu lançamento de Marcelinho Paraíba, avançou e bateu de fora da área, no cantinho de Anderson. Depois, no fim, o centroavante Eduardo pegou a sobra de uma cobrança de falta e decretou o 2 x 0. Ou seja, o ataque do galo, ainda em penúltimo lugar, se fez presente. No tricolor, Milton ainda mexeu nas pontas, mantendo Guilherme até o fim – o que dá a entender que não havia muito o que fazer ali.

Com o revés, o Santa voltou a ser derrotado após sete rodadas no Brasileiro, cinco delas com MM. Este jogo marcou abertura do returno da Série C, com a vice-liderança coral, com 16 pontos, seriamente ameaçada, por Botafogo (15), Confiança (14) e Sampaio Corrêa (14).

Escalação do Santa (piores: 1 Guilherme, 2 Allan Dias, 3 Marcos Martins)
Anderson; Marcos Martins (Augusto, 16/2T), João Victor, William Alves e Cesinha; Charles, Allan Dias (Misael, 25/2T) e Daniel Costa; Everton (Warley, 30/1T), Guilherme e Dudu. Técnico: Milton Mendes

Escalação do Treze (melhor: 1 Vanger)
Iguatu; Edy, Penna, Victor e Silva; Elielton, Pacato e Marcelinho PB (17/2T); Vanger (Davi, 41/2T), Eduardo e Cezinha (Diego Ceará, 25/2T). Técnico: Kleber Romero

Histórico de Treze x Santa Cruz (todos os mandos)
91 jogos
41 vitórias pernambucanas (45,0%)
25 empates (27,4%)
25 vitórias paraibanas (27,4%)

A análise do Podcast 45 Minutos (Diego Borges, Clauber Santana e João Pereira):

Ramon Smith/Treze FC


Compartilhe!