Compartilhe!

Anderson Stevens/Sport Recife

A fórmula do Campeonato Pernambucano com semifinal e final, implantada em 2010, chega à 10ª edição em 2019. E pela 10ª vez consecutiva, neste formato, o Sport chega ao G4. A goleada por 4 x 0 sobre o Petrolina, diante do maior público na Ilha do Retiro neste ano, com 13.003 torcedores, confirmou a primeira semi desta edição. Duelo contra o Salgueiro.

A tendência é que a próxima fase potencialize o cenário visto neste domingo, com o público apoiando e se esforçando para entender o momento de reconstrução da equipe – com o sarrafo técnico mais baixo. E o processo de mudança parece algo contínuo, pois Guto Ferreira, que já não contou com Sander, machucado, precisou substituir o meia Guilherme com 4 minutos.

No lance, o meia-atacante sofreu uma trombada do zagueiro Rogério, na área, num pênalti não assinalado – na minha visão. Posteriormente, o gol não faria falta, mas o jogador ficou desacordado, com princípio de concussão. Acabou substituído por Leandrinho, cuja dinâmica é mais atrás atrás. Logo, aquele período de “remontagem” coincidiu com o melhor momento do time sertanejo, com algumas boas chegadas nos 20 primeiros minutos, batalhando bastante. Depois, o rubro-negro, que teve 63% de posse no 1T, conseguiu colocar a bola no chão e acelerar.

Já na reta final, o time marcou dois gols, com Luan num belo voleio, após assistência de Ezequiel, e com o Brocador, que sofreu e converteu o pênalti – ampliando a artilharia para 7 gols. No 2T, com o confronto das quartas “definido”, Leandrinho ampliou com um chute no cantinho, dando as condições para o técnico promover a estreia do meia Sammir, que não atuava desde outubro de 2017! Sem ritmo, entrou para qualificar o passe – conseguiu. Em campo, viu Ezequiel ser lançado pelo Broca, cortar o zagueiro e fechar a goleada.

Obs. Em toda a história do Pernambucano, com 105 edições, esta é a 103ª participação leonina, com 98ª campanha entre os quatro melhores colocados. Agora, o time tentará o 42º título.

Escalação do Sport (melhores: 1 Ezequiel, 2 Brocador, 3 Luan)
Mailson; Norberto (Juninho, 19/2T), Rafael Thyere, Adryelson e Guilherme Lazaroni; Ronaldo, Charles e Guilherme (Leandrinho, 6/1T); Ezequiel, Brocador e Luan (Sammir, 29/2T). Técnico: Guto Ferreira

Escalação do Petrolina (pior: Pimpim)
Pezão; Fieta, Rogério, Lucão e Genilson; Pink, Pimpim (Wando, intervalo), Marcelo e Magno; Raniel (Reis, intervalo) e Genildo (Hugo, 41/2T). Técnico: Neco

Histórico geral de Sport x Petrolina (todos os mandos)
18 jogos
14 vitórias rubro-negras (77,7%)
4 empates (22,2%)

Sport no Estadual na era do mata-mata
2010 – Final (campeão)
2011 – Final (vice)
2012 – Final (vice)
2013 – Final (vice)
2014 – Final (campeão)
2015 – Semifinal (3º lugar)
2016 – Final (vice)
2017 – Final (campeão)
2018 – Semifinal (3º lugar)
2019 – Semifinal (a disputar, vs Salgueiro)
Desempenho (18 duelos; 66% de aproveitamento): 12 classificações e 6 eliminações

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Celso Ishigami e Fred Figueiroa):

Anderson Stevens/Sport Recife


Compartilhe!