Compartilhe!

A cidade do Recife foi escolhida para ser a primeira fora do estado de São Paulo a receber uma mostra do Museu do Futebol. Celebrando os dez anos de abertura, em 2018, o museu paulista – que a bem a verdade tem um viés realmente nacional – criou uma exposição itinerante, agendada também para o Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. Em cada local, como frisa o próprio material de divulgação, o propósito é o de “valorizar as tradições do futebol de cada cidade, dando destaque à história dos times locais” e “ampliar o acervo do Museu, incorporando o conteúdo pesquisado nas cidades que receberão a exposição itinerante”.

Pois em Pernambuco tive o prazer de poder colaborar com a direção de conteúdo. Além do garimpo de imagens históricas nas salas de troféus de Náutico, Santa e Sport e de curiosidades sobre o nosso futebol, busquei recordes do trio – em dados processados a partir da pesquisa de Carlos Celso Cordeiro. Uma experiência gratificante, num trabalho inédito para mim.

Neste post, mostro alguns dos ambientes e placas criados especialmente para a versão recifense, chamada de ‘Museu do Futebol na Área’. Obviamente, há bastante material audiovisual do museu original – localizado embaixo da arquibancada do Pacaembu – preenchendo os 440 metros quadrados do espaço inaugurado no Cais do Sertão. De narrações históricas na Copa do Mundo à imersão das torcidas num Corinthians x Palmeiras… Espero que gostem!

Museu do Futebol no Recife
Localização: Cais do Sertão, no Recife Antigo
Período: 25/04 a 20/05, de terça a domingo
Horário: das 9h às 17h
Entrada: gratuita

Os primeiros jogos do trio de ferro, as maiores goleadas e a entrada do Íbis no Guinness Book

O pioneirismo entre as mesorregiões e 10 atletas de destaque local pelos mais diversos motivos

As camisas cedidas pelos clubes: hexa estadual (1968), campeão nordestino (2016) e título brasileiro (1987). No padrão da Seleção, as assinaturas dos pernambucanos que já defenderam a canarinha

Times de botão do Salgueiro, Íbis, América, Petrolina… Jogo liberado

Os traços carnavalescos através do boneco gigante de Magrão, do Bonzão e da Minha Cobra


Compartilhe!