Compartilhe!

Do América de Natal em 2007 para a Chapecoense em 2021, as piores marcas nos pontos corridos.

Ao perder do Fluminense no Maracanã, por 3 x 0, a Chapecoense encerrou a sua participação no Brasileirão de 2021 perdendo pela 7ª vez seguida. Paralelamente à festa do tricolor carioca, que se garantiu na próxima Libertadores, o time catarinense viveu o oposto, alcançando um vexame que parecia impossível. O resultado sacramentou a campanha da Chape como a pior na história da 1ª divisão nacional, considerando o formato atual nos pontos corridos, com 38 rodadas.

Num ano de crise financeira e desarrumação no elenco, fez apenas 15 pontos, tendo 13,1% de aproveitamento. Acredite, o alviverde venceu apenas uma vez no BR,ainda no primeiro turno e fora de casa. Ou seja, não ganhou jogo algum na Arena Condá, sendo o primeiro mandante sem vitórias – neste caso, um recorde impossível de ser batido (no máximo igualado).

Com tudo isso, “superou” o América de Natal de 2007, que fez 17 pontos. Naquela edição há 14 anos, que foi a segunda com vinte participantes, o alvirrubro potiguar somou apenas 14,9% dos pontos, terminando com um saldo de gols de -56. Fez 24 gols e tomou 80, sendo a defesa mais vazada até hoje. O curioso é que o Mecão ainda venceu o Paraná Clube lá e lô durante a campanha. Como também é surpreendente o fato de a Chapecoense ter sido o único time que não perdeu do Atlético Mineiro, disparado o campeão brasileiro 2021. Foram dois empates.

Considerando as 16 edições do BR com o mesmo formato, foram 320 campanhas ao todo – abaixo, confira as 20 piores. América e Chape foram os únicos times que somaram menos de 20 pontos. Entretanto, o recorde que ninguém quer agora pertence à Chapecoense, com o merecido descanso do “América-RN de 2007”. A nova marca deve durar quantos anos?

As 20 piores campanhas nos pontos corridos na Série A com 20 clubes (2006-2021)
301º) 33 pts – Goiás (2010; 8V, 9E e 21D), 19º
302º) 32 pts – CSA (2019; 8V, 8E e 22D), 18º
303º) 32 pts – Chapecoense (2019; 7V, 11E e 20D, 19º
303º) 32 pts – Criciúma (2014; 7V, 11E e 20D), 20º
305º) 31 pts – Santa Cruz (2016; 8V, 7E e 23D), 19º
306º) 31 pts – Coritiba (2020; 7V, 10E e 21D), 19º
306º) 31 pts – Joinville (2015; 7V, 10E e 21D), 20º
306º) 31 pts – Avaí (2011; 7V, 10E e 21D); 20º
306º) 31 pts – Grêmio Prudente (2010; 7V, 10E e 21D), 20º
306º) 31 pts – Sport (2009; 7V, 10E e 21D), 20º
311º) 30 pts – Atlético-GO (2012; 7V, 9E e 22D), 19º
311º) 30 pts – Figueirense (2012; 7V, 9E e 22D), 20º
313º) 28 pts – América-MG (2016; 7V, 7E e 24D), 20º
313º) 28 pts – Santa Cruz (2006; 7V, 7E e 24D), 20º
315º) 27 pts – Botafogo (2020; 5V, 12E e 21D), 20º
316º) 23 pts – Paraná (2018; 4V, 11E e 23D), 20º
317º) 20 pts – Náutico (2013; 5V, 5E e 28D), 20º
318º) 20 pts – Avaí (2019; 3V, 11E e 24D), 20º
319º) 17 pts – América-RN (2007; 4V, 5E e 29D), 20º
320º) 15 pts – Chapecoense (2021; 1V, 12 e 24D), 20º

Obs. O Grêmio Prudente, em 2010, e o Santa Cruz, em 2016, foram punidos pelo STJD nas respectivas campanhas e perderam 3 pontos – não descontados acima, numa lista que considerou o desempenho em campo. O clube paulista foi penalizado por uma escalação irregular, enquanto o clube pernambucano foi julgado por atrasos salariais, devido ao Fair Play Trabalhista.


Compartilhe!