Compartilhe!
  •  
  • 13
  •  
  •  

A festa dos gols nas últimas vitórias dos nordestinos na Série A, com Ceará (vs Palmeiras), Sport (vs Bahia), Bahia (vs Corinthians) e Fortaleza (vs (Santos), todas já em 2021. Fotos: clubes/divulgação.

Após 173 dias, finalmente o Campeonato Brasileiro de 2020 apresenta uma tabela sem arestas. A competição foi iniciada já desta forma, em 8 de agosto, com a realização de apenas 6 dos 10 jogos. E o torneio chegou a ter 8 jogos de defasagem, mas a classificação acabou ficando uniforme em 28 de janeiro, com todos os participantes tendo 32 partidas – 16 em casa e 16 fora.

O principal jogo para a análise, no viés nordestino, ocorreu na Fonte Nova, com o triunfo do Bahia sobre o Corinthians. O resultado tirou o tricolor do Z4, empurrando o Fortaleza, e ainda deixou o Ceará ao alcance da Libertadores, à frente do timão. Em relação à disputa contra o descenso, o cenário atual é de insanidade pura. Na prática, são 4 times brigando para não ficar em 17º. Acima deste bloco, o Atlético-GO (13º) tem 6 pontos a mais. Abaixo do bloco, o Goiás (18º) tem 6 pontos a menos. Portanto, o foco está em Vasco (36 pts), Sport (35 pts), Bahia (35 pts) e Fortaleza (35 pts). Difícil apontar o desfecho, com todo ainda vivos, mas com problemas.

Sem contar que a margem para escapar subiu de 41 para 43 pontos. Este cálculo considera 1 ponto a mais na projeção final do 17º lugar, além de arredondar o dado para cima. Ou seja, mais 8 pontos para o trio nordestino e 7 pontos para o time carioca. Quanto ao Ceará, virtualmente livre da queda, a vaga internacional é quase certa, via Copa Sul-Americana (seria a 2ª participação do clube), mas com o sonho de ir à Libertadores (aí, seria um feito inédito).

Lá no alto, a liderança pertence ao Internacional, com 4 pontos de vantagem, mas tendo o fortíssimo Flamengo como perseguidor. O colorado não é campeão desde 1979! E olhe que a visão sobre a situação uniforme, da briga pelo título à disputa contra o rebaixamento, tende a ser curta, pois um jogo da próxima rodada já foi remanejado. O clássico entre Santos e Corinthians, da 33ª rodada, será disputado somente após a 35ª rodada, no dia 17 de fevereiro.

Os resultados dos últimos jogos adiados
1ª rodada – Palmeiras 1 x 1 Vasco (verdão com reservas; time carioca abriu 1 ponto do Z4)
23ª rodada – Grêmio 2 x 4 Flamengo (atual campeão virou o placar com 4 gols no 2T; vice-líder)
28ª rodada – Atlético-MG 2 x 0 Santos (peixe vai à final da Libertadores com 3 derrotas seguidas)
30ª rodada – Bahia 2 x 1 Corinthians (timão teve um surto de covid-19, com 10 casos; 1 titular)

A seguir, um resumo dos nordestinos para a reta final do Brasileirão 2020. Na sequência, a classificação atualizada da competição, com 801 gols em 320 jogos, com média de 2,50.

8º) Ceará (45 pontos; 12V, 9E e 11D)
A derrota do Corinthians em Salvador manteve o Ceará na 8ª colocação – devido ao saldo de gols, +5 vs +1. Ou seja, o clube segue mirando o possível “G8”, em caso de título do Palmeiras na Libertadores, no dia 30 de janeiro. Caso o Santos (hoje em 10º) fique com a taça continental, o vozão terá que lutar pela 7ª posição para tentar uma vaga na Libertadores de 2021. Neste caso, está a 5 pontos do Fluminense. Porém, o ajustado time de Guto ferreira vem em ótima fase, com 3 vitórias nos últimos 4 jogos, e conta com Vinícius, um dos destaques da Série A, autor de 12 gols – recorde do clube nos pontos corridos. Vai brigar.

Mandante (16 jogos): 23 pontos (15º), com 6V, 5E e 5D
Visitante (16 jogos): 22 pontos (7º), com 6V, 4E e 6D
No returno (13 jogos): 21 pontos (7º), com 6V, 3E e 4D
Chance de Libertadores (UFMG; pelo G6): 7,8%
Tabela: Athletico-PR (C), Corinthians(F), São Paulo (F), Fluminense (C), Coritiba (F) e Botafogo (C)

15º) Sport (35 pontos; 10V, 5E e 17D)
A verdade é que a campanha do Sport a esta altura do campeonato já é bem surpreendente, com o time – o mais limitado entre os que brigam contra a queda, na minha opinião – fora da zona de rebaixamento desde a 7ª rodada, já no segundo jogo com Jair Ventura. Embora seja um time batalhador, que consegue segurar o resultado (ou ao menos manter uma desvantagem mínima até a última bola, com o placar indefinido), a falta de qualidade ofensiva é um entrave. O rubro-negro tem o pior ataque da competição, com apenas 26 gols em 32 jogos, o que dá uma média de 0,81. A chegada do meia Thiago Neves melhorou o setor, mas é um caso isolado. Hoje, está á frente do rival baiano pelo saldo, -15 vs -16.

Mandante (16 jogos): 25 pontos (12º), com 8V, 1E e 7D
Visitante (16 jogos): 10 pontos (19º), com 2V, 4E e 10D
No returno (13 jogos): 11 pontos (17º), com 3V, 2E e 8D
Chance de rebaixamento (UFMG): 27,8%
Tabela: Flamengo (C), Botafogo (F), Inter (F), Bragantino (C), Atlético-MG (C) e Athletico-PR (F)

16º) Bahia (35 pontos; 10V, 5E e 17D)
O tricolor soteropolitano tem a defesa mais vazada do campeonato, com 54 gols em 32 jogos, com média 1,68 – está empatado neste quesito com o Goiás. O ajuste no setor – indo de encontro à característica do técnico Dado Cavalcanti – é essencial para que o clube tenha uma chance efetiva de permanência. É difícil reagir tomando quase 2 gols por jogo. Por outro lado, o time o melhor ataque entre os quatro que brigam diretamente contra a queda (Vasco, Sport e Fortaleza). Já marcou 38 gols, com média de 1,18, com boa colaboração do centroavante Gilberto, autor de 8. Além disso, ainda terá dois confrontos diretos, mas ambos fora de casa.

Mandante (16 jogos): 25 pontos (11º), com 8V, 1E e 7D
Visitante (16 jogos): 10 pontos (20º), com 2V, 4E e 10D
No returno (13 jogos): 13 pontos (16º), com 4V, 1E e 8D
Chance de rebaixamento (UFMG): 25,1%
Tabela: Vasco (F), Fluminense (C), Goiás (C), Atlético-MG (F), Fortaleza (F) e Santos (C)

17º) Fortaleza (35 pontos; 8V, 11E e 13D)
O ajuste da tabela deixou o Fortaleza na zona de rebaixamento, devido ao nº de vitórias, um critério que irá assombrar o clube até a última rodada. Com duas vitórias a menos que Sport e Bahia (8 vs 10), a tendência é que leão do pici não possa empatar na pontuação – como acontece agora. O mau desempenho no returno, sendo o pior entre os concorrentes diretos, também pesa contra – e é condizente com o futebol praticado, com Enderson Moreira sendo o 2º técnico pós-Rogério Ceni. A favor, um duelo em casa contra o Coritiba, praticamente rebaixado, além de contar com um fazedor de gols, Wellington Paulista – como Bahia (Gilberto) e Vasco (Cano).

Mandante (16 jogos): 24 pontos (14º), com 6V, 6E e 4D
Visitante (16 jogos): 11 pontos (18º), com 2V, 5E e 9D
No returno (13 jogos): 10 pontos (18º), com 2V, 4E e 7D
Chance de rebaixamento (UFMG): 38,0%
Tabela: Atlético-MG (F), Coritiba (C), Vasco (C), Palmeiras (F), Bahia (C) e Fluminense (F)

A classificação do Brasileirão após a 32ª rodada e 320 jogos disputados (*)
* Em relação às últimas 5 partidas, os resultados são da esquerda pra direita

Obs. A barra “azul” é a Libertadores (fase de grupos), a “laranja” é a Pré-Libertadores e a “verde” é a Sula. As barrinhas duplas se referem às possibilidades a partir das finais pendentes, com Grêmio x Palmeiras na Copa do Brasil e Palmeiras x Santos na Libertadores. Ou seja, o G6 pela Libertadores pode virar 67 ou G8! Nos clubes com duas barrinhas, a cor à esquerda é a situação atual.


Compartilhe!
  •  
  • 13
  •  
  •