Compartilhe!

Wellington Paulista, o artilheiro da tarde no Castelão. Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza.

Para tentar conter o poder ofensivo do Fortaleza, uma equipe visivelmente superior, o técnico do Santa, Itamar Schulle, apostou num esquema com três zagueiros, uma formação titular que ainda não havia sido testado. Porém, não era apenas uma questão a zaga. Era preciso que as peças rendessem, ocupando os espaços e tentando se antecipar aos lances do atual campeão nordestino. A troca de passes de para o primeiro gol cearense mostra que isso não aconteceu. Longe disso.

No lance aos 30 minutos, depois de alguma insistência, a defesa coral estava toda adiantada e Romarinho só precisou de um toque para deixar David em ótima condição. O atacante recém-contratado (por R$ 5 milhões) ganhou do limitado lateral Fabiano sem dificuldades, avançou, driblou o goleiro e marcou. Aquele gol desmontou o Santa Cruz de uma forma irreparável, com o tricolor alencarino ganhando mais tranquilidade para ampliar.

Conseguiu graças a outro vacilo da defesa coral, com William Alves cometendo um pênalti aos 42 – braço totalmente aberto numa bola levantada na área. Na cobrança Wellington Paulista bateu com tranquilidade. Então, o saldo no 1T foi o seguinte: David voltando a marcar após dez meses (sim, desde 20/03/2019) e Wellington anotando o seu primeiro no ano. Ou seja, injeção de confiança no mandante e um visitante sem muito o que fazer para reverter.

No 2T, apesar das chances criadas com a bola rolando, o Fortaleza voltou a marcar em outro pênalti, este cometido pelo lateral-direito Júnior. Wellington Paulista bateu no mesmo estilo e cravou a goleada por 3 x 0 – e o time ainda poderia ter feito mais. Havia uma análise prévia sobre a disparidade técnica, apesar do status de clássico regional. E essa visão prevaleceu.

A 1ª vez na Copa Sul-Americana
Após a primeira vitória na Copa do Nordeste, o Fortaleza embarca para a Argentina, onde irá estrear na Sula, em 27/02, diante do tradicional Independiente, hepta na Libertadores. Em tese, também há aqui uma diferença técnica. Porém, o conjunto leonino pode fazer a diferença.

Escalação do Fortaleza (melhores: 1 Romarinho, 2 David, 3 Wellington)
Felipe Alves; Gabriel Dias, Paulão, Michel e Carlinhos; Juninho, Felipe e Romarinho (Cariús, 37/2T); David (Vázquez, 21/2T), Wellington Paulista (Derley, 33/2T) e Osvaldo. Técnico: Rogério Ceni

Escalação do Santa (piores: 1 Fabiano, 2 William, 3 Pipico)
Maycon Cleiton; Júnior, William Alves, Denilson, Danny Morais e Fabiano; Bileu (Tinga, 40/2T), Paulinho (Toty, intervalo) e Jeremias; Pipico (Mayco Felix, 29/2T) e Patrick. Técnico: Itama Schulle

Histórico geral de Fortaleza x Santa Cruz (todos os mandos)
50 jogos
15 vitórias pernambucanas (30,0%)
14 empates (28,0%)
21 vitórias cearenses (42,0%)

A análise do Podcast 45 Minutos (Diego Borges, Lucas Liausu e Thiago Minhoca, do min 1 ao 46):

Abaixo, assista aos melhores momentos da partida, num vídeo do perfil da Copa do Nordeste.


Compartilhe!