Compartilhe!
  •  
  • 29
  •  
  •  

A evolução da premiação absoluta da Copa do Nordeste desde a volta ao calendário oficial.

A Copa do Nordeste de 2020 será a primeira em 18 anos a contar com os sete clubes mais populares da região, agregando ainda mais valor ao torneio, que manteve a subida desde o seu retorno em 2013, com aumento anual na cota de premiação/participação.

Os valores, revelados na coluna de Fernando Graziani, no jornal O Povo, mostram o aumento um aumento absoluto de R$ 1,76 milhão, com a receita total chegando a R$ 34,3 milhões. O montante considera a cota fixa (25,9 mi), a premiação (5,4 mi) e o aporte digital (3 mi, o dobro em relação a 2019).

De 2013 a 2020, o torneio saltou de R$ 5,6 mi a R$ 34,3 mi – ao todo, as oito edições somam R$ 149,32 milhões. Para 2020, ainda que o número de fins de semana seja abaixo do esperado, pois as federações também brigam por isso na tabela, o Nordestão terá uma receita recorde, até pela garantia do distrato entre a Liga do Nordeste e a Turner, a controladora do Esporte Interativo, antigo detentor dos direitos de transmissão. Pelo acordo, a empresa se comprometeu a bancar R$ 30 milhões por edição de 2019 a 2022, totalizando R$ 120 mi.

Cota absoluta do Nordestão
2013 – R$ 5.600.000
2014 – R$ 10.000.000 (+4,40 mi)
2015 – R$ 11.140.000 (+1,14 mi)
2016 – R$ 14.820.000 (+3,68 mi)
2017 – R$ 18.520.000 (+3,70 mi)
2018 – R$ 22.400.000 (+3,88 mi)
2019 – R$ 32.540.000 (+10,14 mi)
2020 – R$ 34.300.000 (+1,76 mi)

Abaixo, os cotas de cada etapa. E aqui vale uma ressalva. Os valores não foram ampliados para 2020. Pelo contrário. Enquanto no mata-mata a premiação é rigorosamente a mesma (inclusive sem correção inflacionária), na fase principal o repasse está até pouco menor, com as seguintes diferenças em relação aos quatro “subgrupos de cotas”: 1 (-15 mil), 2 (-35 mil), 3 (-35 mil) e 4 (-50 mil). Lembrando que as cotas de 2019 foram amplamente divulgadas. Então, o aumento bruto da nova edição vai para alguma parte específica do torneio? Para a base, com o Nordestão Sub 20, foram R$ 800 mil. Ainda há administração, marketing etc. A conferir.

Cota da seletiva (para os clubes eliminados)
R$ 100 mil – Sampaio Corrêa, Altos, Juazeirense e Campinense

Cota da fase principal (divisão através do Ranking da CBF)
Subgrupo 1 – R$ 2,2 milhões – Bahia (15º), Sport (16º), Vitória (17º) e Ceará (23º)
Subgrupo 2 – R$ 1,7 milhão – Santa Cruz (28º), CRB (32º), Fortaleza (33º) e Náutico (36º)
Subgrupo 3 – R$ 1,5 milhão – ABC (43º), CSA (45º), Botafogo-PB (46º) e América-RN (49º)
Subgrupo 4 – R$ 775 mil – Confiança (53º), River (72º), Imperatriz (111º) e Frei Paulistano (s/r)

Cotas no mata-mata
Quartas de final – R$ 300 mil
Semifinal – R$ 375 mil
Vice – R$ 500 mil
Campeão – R$ 1 milhão

Portanto, o próximo campeão nordestino vai receber R$ 1,675 milhão durante a fase eliminatória. Somando à cota inicial, a arrecadação total pelo título vai de R$ 2,45 mi, para os times do subgrupo 4, a R$ 3,875 milhões, para os times do subgrupo 1, incluindo o Sport – de volta após dois anos. Lembrando que a 17ª edição do regional terá transmissão no SBT, na tevê aberta (contrato até 2022), e no Fox Sports, na tevê fechada (contrato até 2021).

Leia mais sobre o assunto
Os grupos da Copa do Nordeste de 2020, com 6 clássicos estaduais na 1ª fase

Acordo de rescisão garante R$ 120 milhões à Copa do Nordeste entre 2019 e 2022


Compartilhe!
  •  
  • 29
  •  
  •