Compartilhe!

Jogador de muita entrega, Marquinhos tomou o 3º amarelo. Foto: Marcelo Zambrana/AGIF, via CBF.

No Allianz Parque, o Sport terminou uma sequências das mais complicadas em sua tabela neste Brasileirão. Foram quatro jogos fora de casa em cinco rodadas, todas sob o comando de Jair Ventura.

À parte da vitória na Ilha, sobre o Goiás, o time ainda somou quatro pontos como visitante. Curiosamente, em jogos teoricamente mais complicados. Derrotado por Coritiba e Fortaleza por 1 x 0, com ambos os pênaltis em erros infantis, o time teve outra cara diante de Grêmio e Palmeiras. Em Porto Alegre, venceu um jogo sofrido. Em São Paulo, conseguiu arrancar um empate depois de tomar a virada e perder um jogador, com a expulsão de Sander – que já havia recuado mal no primeiro gol alviverde, de Willian, encerrando uma atuação lamentável.

Na etapa complementar, após o jogo voltar a ficar numericamente equilibrado, com a expulsão de Zé Rafael aos 13 minutos, o leão conseguiu mostrar equilíbrio para deixar o placar em 2 x 2. E foi num golaço, com a bola de pé em pé, até chegar em Rogério, de costas, num passe desconcertante para Lucas Mugni, que finalizou bem demais. Ou seja, dois nomes até pouco tempo longe da titularidade – Mugni por opção de Daniel Paulista e Rogério pela deficiência técnica em suas últimas temporadas no Bahia e no Ceará.

O lance aos 18 minutos recolocou o Sport no jogo de forma literal, técnica, tática e mentalmente. O time se reagrupou, esperando o festival de cruzamento do Palmeiras, com Adryelson e Maidana (que abriu o placar, de pênalti) aparecendo bem. Pelo volume de tentativas, algumas levaram perigo, com Polli tendo uma atuação insegura. Ainda assim, em termos estruturais, o time pernambucano fez por merecer o pontinho, que alivia um fim de semana ruim, com vitórias de concorrentes diretos contra o Z4 neste momento, como Athletico-PR, Ceará, Atlético-GO e Goiás. Conseguiu manter em 2 pontos a distância para a zona – soma 11 pontos, com 3V, 2E e 5D. Agora, a volta para o Recife, com dois jogos seguidos em casa, contra Flu e Corinthians. Parada dura, mas com a confiança se restabelecendo…

Sport em 10 rodadas na Série A de 2020
Mandante (4 jogos, 6 pts e 50.0%): 2V, 0E e 2D
Visitante (6 jogos, 5 pts e 27.7%): 1V, 2E e 3D

Escalação do Palmeiras (melhor: Willian;)
Weverton; Mayke (Bruno Henrique, 25/2T), Luan, Vitor Hugo e Viña; Ramires (Danilo, intervalo), Gabriel Menino (Marcos Rocha, 33/2T) e Lucas Lima (Gabriel Silva, 25/2T); Zé Rafael, Willian e Wesley (Gabriel Veron, intervalo). Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Escalação do Sport (melhores: 1 Mugni, 2 Rogério, 3 Patric; piores: 1 Sander, 2 Polli)
Luan Polli; Patric, Maidana, Adryelson e Sander; Ronaldo (Marcão, intervalo), Ricardinho (Bruninho, 32/2T), Lucas Mugni (João Igor, 31/2T) e Barcia (Rogério, intervalo); Hernane (Luciano Juba, 47/2T) e Marquinhos. Técnico: Jair Ventura

Histórico geral de Palmeiras x Sport (todos os mandos)
63 jogos
19 vitórias rubro-negras (30,1%)
12 empates (19,0%)
32 vitórias paulistas (50,7%)

Histórico de Palmeiras x Sport pela Série A (todos os mandos)
39 jogos
12 vitórias rubro-negras (30,7%)
8 empates (20,5%)
19 vitórias paulistas (48,7%)

Curiosidade
Entre os principais clubes do eixo RJ-SP-MG-RS, o Palmeiras é adversário mais recorrente na história leonina, agora com 63 partidas disputadas, entre competições oficiais e amistosos. Fechando o pódio neste recorte, Atlético-MG e São Paulo, ambos com 54 confrontos contra o Sport.

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Celso Ishigami e Fred Figueiroa):

Abaixo, assista aos gols da partida, através do perfil oficial do Brasileirão no Twitter.


Compartilhe!