Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

O meia Gustavo, de 18 anos, saiu do banco e foi o mais lúcido. Foto: Anderson Stevens/Sport.

Embora tenha tido seis desfalques devido às convocações para as Eliminatórias, o Atlético Mineiro veio ao Recife com um time sólido, justificando o elenco que o coloca como um dos favoritos ao título brasileiro de 2021. A derrota na estreia, em casa e diante do Fortaleza, pressionou o time de Cuca a uma reação imediata. E o nível da escalação possibilitava isso. Falando em reação, o 2T em Porto Alegre deixou o Sport mais esperançoso para o primeiro jogo em casa nesta edição, mas a diferença de qualidade, desta vez, definiu o resultado, mesmo por um triz.

Até porque não foi um grande jogo. Na verdade, foi bem arrastado, com o galo levando uma leve vantagem no número de finalizações, 10 x 8. Contudo, fez diferença o chute certo, na barra, com o scout em 1 x 1, dado que, naturalmente, também fala bastante sobre a partida que encerrou a 2ª rodada na Série A. No caso do visitante, o único chute certeiro foi de Hulk, à vera. O centroavante balançou as redes aos 13 minutos mesmo cercado por três adversários – só depois passou a ser marcado com mais rigidez (sofreu 6 faltas ao todo).

Pouco antes do lance decisivo o Sport havia acertado a trave com Marquinhos, mas ficou nisso. Os rubro-negros até correram, mas não deram trabalho de fato a Éverson, pela dificuldade de infiltração, pela furada de André na reta final e pelas tomadas de decisão equivocadíssimas de Maxwell e Tréllez, este já na última chance. Esses três nomes entraram no decorrer, mas, apesar das várias substituições, o setor ofensivo do Sport não funcionou.

Mikael saiu novamente no intervalo, mas desta vez vinha mais participativo – e a mudança de Louzer não pode ser automática, um “9” por outro “9”, na minha visão. Sem Everaldo e Neilton, ainda em recuperação, o time acabou passando tempo demais com Moccelin em campo. Na ponta, jogador teve uma dificuldade enorme de dar prosseguimento às jogadas. Demorou a sair. No fim, sem brilho, vitória atleticana por 1 x 0, cumprindo a sua missão. Ao Sport, a falta de peças num campeonato de porte pesa bastante, necessitando de um jogo com elevado índice de acertos. Como não foi o que aconteceu na Ilha, dificilmente viria outro pontinho…

Sport em 2 rodadas na Série A de 2021
Mandante (1 jogo, 0 pt e 0%): 0V, 0E e 1D
Visitante (1 jogo, 1 pt e 33.3%): 0V, 1E e 0D

Escalação do Sport (melhor: Gustavo; piores: Moccelin, Maxwell e André)
Mailson; Hayner, Rafael Thyere, Sabino e Júnior Tavares; Marcão, Ricardinho (Tréllez, 33/2T) e Thiago Neves (Gustavo, 18/2T); Paulinho Moccelin (Patric, 38/2T), Mikael (André, intervalo) e Marquinhos (Maxwell, intervalo). Técnico: Umberto Louzer

Escalação do Atlético-MG (melhores: Hulk, Nacho e Zaracho)
Éverson; Mariano, Igor Rabello, Réver e Dodô; Allan (Gabriel, 38/2T), Tchê Tchê, Zaracho (Dylan, 38/2T) e Hyoran (Marrony, 31/2T); Nacho Fernández (Jair, 45/2T) e Hulk. Técnico: Cuca

Histórico geral de Sport x Atlético-MG (todos os mandos)
57 jogos
14 vitórias rubro-negras (24,5%)
20 empates (35,0%)
23 vitórias mineiras (40,3%)

Histórico de Sport x Atlético-MG pela Série A (todos os mandos)
42 jogos
9 vitórias rubro-negras (21,4%)
17 empates (40,4%)
16 vitórias mineiras (38,0%)

A análise do Podcast 45 Minutos sobre a partida (do tempo 0h56 até 1h48):

Abaixo, assista aos gols dos jogos de domingo, através do perfil oficial do Brasileirão no Twitter.


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •