Compartilhe!
  •  
  • 17
  •  
  •  

O leão somou 7 dos últimos 9 pontos disputados e segue em 14º. Foto: Anderson Stevens/Sport.

Uma vitória simples teria garantido a permanência do Sport na elite nacional ainda nesta 36ª rodada, num cenário bem surpreendente para o time. Entretanto, numa “decisão”, o leão jogou de forma extremamente cautelosa, satisfeito com o empate desde o primeiro minuto de bola rolando. Afinal, visando o decorrer do campeonato, o objetivo maior, esse pontinho a mais eliminou a chance de ser ultrapassado pelo Goiás e agora só será rebaixado se Vasco e Bahia vencerem os dois jogos restantes. Um empate, de qualquer um, já zera o risco de queda, hoje inferior a 1%.

É possível que algum torcedor leonino tenha ficado chateado com o desempenho nesta noite, embora o futebol tenha passado longe de algo inédito, a não ser o fato de a postura ter sido mantida durante os 90 minutos, sem variação alguma. Na Ilha do Retiro, o Sport repetiu a formação de Porto Alegre, com três zagueiros, continuando com bastante solidez defensiva, mas desta vez não força para contragolpear, pois tecnicamente esteve ainda mais limitado.

Sem o lateral Patric e o ponta Marquinhos, suspensos, o volume ofensivo do time Jair caiu bastante – e Ewerthon, acionado algumas vezes no 1T, acabou sentindo antes do intervalo. Assim, o leão realmente só pôde se defender. Com 69% de posse, o Bragantino, o 4º melhor time do returno, teve 12 x 1 em finalizações até o intervalo, mas acabou forçando bastante o jogo aéreo, sem sucesso – sem dúvida, parte da estratégia pernambucana, como se esperava.

Visando a vitória, dificilmente aquela atuação do Sport seria suficiente. E não houve mudança prática, até mesmo pela falta de peças. Na retomada, o time da Red Bull voltou a ter um scout folgado nas finalizações, com 10 x 3, além do mesmo percentual na posse. Dessas chances, no entanto, apenas uma levou perigo, numa cabeçada de Luan Cândido, de costas. Curiosamente, foi num lance fortuito, à parte de toda a construção ofensiva do Braga, com Claudinho, o artilheiro da Série A, pegando na bola a todo instante, sempre marcado. No fim, já sem o meia (Thiago Neves substituído) e com apenas um atacante (Mikael, só para dar o combate), o leão segurou o empate em 0 x 0. Para a campanha, um ponto valiosíssimo e talvez definitivo, mesmo tendo ainda o Atlético-MG (21/02, no Recife) e o Athletico-PR (25/02, em Curitiba).

A matemática do Sport para confirmar a permanência na 37ª rodada
Se vencer o Atlético-MG – Fica (já garante ao menos o 15º lugar)
Se empatar com o Atlético-MG – Fica (já garante ao menos o 16º lugar)
Se perder do Galo ainda terá duas chances na rodada…
– Torce por empate/derrota do Bahia (vs Fortaleza, fora)
– Torce por empate/derrota do Vasco (vs Corinthians, fora)

Sport em 36 rodadas na Série A de 2020
Mandante (18 jogos, 26 pts e 48.1%): 8V, 2E e 8D
Visitante (18 jogos, 16 pts e 29.6%): 4V, 4E e 10D

Escalação do Sport (melhores: Thyere e Prata; piores: Brocador e Betinho)
Luan Polli; Rafael Thyere, Maidana e Adryelson; Marcão, Betinho (Márcio Araújo, 17/2T), Ewerthon (Raul Prata, 42/1T), Júnior Tavares e Thiago Neves (Ricardinho, 37/2T); Dalberto (Mikael, 372T) e Brocador (Luciano Juba, 17/2T). Técnico: Emilio Faro, interino (Jair Ventura suspenso)

Escalação do Bragantino (melhores: Claudinho e Luan; piores: Leandrinho e Ytalo)
Cleiton; Aderlan, Fabrício Bruno, Ligger e Luan Cândido; Raul, Eric Ramires (Lucas Evangelista, 24/2T) e Claudinho; Bruno Tubarão (Morato, 8/1T e depois Hurtado, 37/2T), Ytalo (Chrigor, 37/2T) e Cuello (Leandrinho, 24/2T). Técnico: Maurício Barbieri

Histórico geral de Sport x Bragantino (todos os mandos)
19 jogos
10 vitórias rubro-negras (52,6%)
5 empates (26,3%)
4 vitórias paulistas (21,0%)

Histórico de Sport x Bragantino pela Série A (todos os mandos)
10 jogos
6 vitórias rubro-negras (60,0%)
2 empate (20,0%)
2 vitórias paulistas (20,0%)

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Celso Ishigami e Fred Figueiroa):


Compartilhe!
  •  
  • 17
  •  
  •