Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

A convocação oficial para as competições de 2021 foi feita em 29 de julho. Imagem: FPF/divulgação.

A partir de 2021, o Campeonato Pernambucano passa a ter mais uma categoria de base, com a criação do “Sub 13”. A idade mais nova irá seguir o formato de “campeonato aberto” do Sub 15 (Infantil) e do Sub 17 (Juvenil). Ou seja, aberto a clubes profissionais e amadores. No “Mirim”, o torneio tende a ter algumas particularidades devido à maturação física dos atletas, como tempo reduzido, mais substituições e paralisações – no Sub 15, por isso, os jogos duram 80 minutos.

Segundo a diretoria de competições da FPF, a ideia de estruturar a base em quatro categorias é “ampliar o processo de formação do jovem atleta”. As normas excepcionais sobre o jogo com os adolescentes, além do regulamento do novo torneio em si, ainda serão definidos, a partir do conselho arbitral das categorias abertas, em 5 de agosto, na sede da FPF.

Assim, o torneio assume a chancela oficial da categoria, que nos últimos anos apenas contou com torneio apoiados pela FPF, como a Taça Recife de Comunidades (Tareco) e o Recife Bom de Bola. A federação não criava uma categoria inferior há 26 anos, desde a estreia do Infantil, em 1995. Achei válida a ideia, deixando desde já a sugestão para a elaboração de uma categoria de base também no campeonato feminino, que hoje só tem a categoria principal.

A seguir, os oito campeonatos estaduais criados pela Federação Pernambucana de Futebol em mais de um século de história. Além deles, lembrando, ainda houve o Torneio Início, iniciado em 1919, com título do Santa, e também a Copa Pernambuco, criada em 1994, com triunfo do Ypiranga de Santa Cruz do Capibaribe. Ambos já descontinuadas do calendário oficial.

A estreia das categorias do Campeonato Pernambucano (e o 1º campeão)
1915 – 1ª divisão (Flamengo do Recife)
1916 – Aspirantes (Santa Cruz)*
1920 – Sub 20 (Torre)
1977 – 2ª divisão (Maguary de Bonito)
1980 – Sub 17 (Náutico)
1995 – Sub 15 (Santa Cruz)
1999 – Feminino (Sport)
2021 – Sub 13 (a definir)
* Descontinuado

Abaixo, o ranking de títulos pernambucanos na base, considerando os sete clubes que já ganharam mais de uma taça. Maior vencedor neste contexto, o Sport soma 65 conquistas, com 27 a mais que o 2º colocado, o Náutico. Sobre a história da base em PE, o “Júnior” foi a única categoria durante 60 anos, de 1920 a 1979. Não por acaso, englobou em diversos momentos as idades das demais categorias atuais, incluindo o recém-criado Sub 13.

No início, o torneio de juniores era conhecido como o campeonato dos “terceiros quadros”, com o “primeiro quadro” sendo o Estadual de fato e o “segundo quadro”, com os reservas, sendo o Aspirante. A disputa contava com jovens de 11 a 16 anos, com no máximo 1,60m de altura – uma regra curiosíssima que hoje, evidentemente, não existe mais.

Na época, os jogos do “team inferior” duravam apenas 50 minutos. Em 1930 a categoria foi renomeado para “campeonato juvenil”. Isso mesmo, o juvenil era o que hoje chamamos de júnior. Portanto, virou júnior, de fato, em 1980. Ao longo dos anos, a faixa de idade foi variando, 13-17, 14-20, 16-19, 18-20 e, finalmente, “no máximo 20 anos”. E essa limitação acabou sendo levada aos demais torneios, com o infantil e, agora, mirim.

Os maiores campeões da base no Pernambucano (Sub 20 + Sub 17 + Sub 15)*
1º) 65 títulos – Sport (37-16-12)
2º) 38 títulos – Náutico (24-10-4)
3º) 35 títulos – Santa Cruz (28-4-3)
4º) 5 títulos – Porto (4-0-1)
5º) 3 títulos – Torre (3-0-0)
6º) 2 títulos – Central (1-1-0)
6º) 2 títulos – Unibol (0-1-1)
* Dados acumulados de 1920 até 2020, antes da criação do Sub 13

Leia mais sobre o assunto
O ranking de títulos em Pernambuco de 1915 a 2021, do infantil ao profissional; 427 taças


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •