Compartilhe!
  •  
  • 17
  •  
  •  

O Bahia vinha pressionado pelos resultados no Ba-Vi, mas respondeu. Foto: Vitor Tamar/Bahia.

Numa partida de imposição, técnica e física, o Bahia goleou o Sport em Salvador e se recuperou na Copa do Nordeste. Venceu por 4 x 0 com vaga pra mais. Foi um time ligado desde o início, com boa movimentação, troca de passes e finalizações, tanto dentro quanto fora da área. É o oposto da atuação leonina, que pôde contar novidades, entre reforços e renovações, mas não conseguiu melhorar o rendimento recente.

Foi, de fato, um jogo de contrastes. O melhor jogador do Sport foi o goleiro Carlos Eduardo, acionado no lugar de Luan Polli, vetado após as falhas nos últimos jogos. O goleiro, que foi o 3º nome da posição em 2020, fez ótima defesas e evitou um placar ainda mais elástico. Afinal, Rodriguinho e Gilberto tiveram um latifúndio à disposição. Mesmo com três volantes (Marcão, Betinho e Ricardinho, o leão não conseguiu fechar os espaços – a impressão é que estava jogando com dois a menos desde o início.

Este cenário foi uma soma de fatores, pois os dois laterais também atuaram mal – Júnior Tavares, de volta após a publicação no BID, na sexta, foi uma calamidade no 1T. Em nenhum momento o visitante se mostrou realmente competitivo. O Baêa abriu o placar no clássico com um golaço de Patrick aos 27 minutos, da entrada da área, sempre vaga. Até ali, já eram quatro chutes com perigo, uma deles na trave. O gol era iminente. Pelo lado pernambucano, a única queixa do dia foi um impedimento mal assinalado aos 44, com Mikael partindo livre. Sobretudo porque o Bahia ampliou ainda no 1T, com Gabriel Novaes pegando o rebote.

No 2T, Jair promoveu as estreias de Toró e Neilton, mas não houve revolução. A vantagem do Bahia era considerável e o time de Dado controlou o jogo, tendo tranquilidade e mais técnica. E seguiu tendo espaço, como no gol de Rodriguinho, conduzindo o time da forma que sempre se esperou de um nome deste porte. Num lançamento relativamente curto, o meia recebeu completamente livre e marcou, transformando o jogo em Pituaçu em goleada.

E na tarde ainda havia vaga pra mais, com o mandante explorando o campo cedido, apesar das cobranças incessantes de Jair. O Bahia chegou ao 4º gol com Gabriel Novaes pegando outro rebote – não é coincidência a liberdade no rebote. Com o triunfo obtido em seu melhor desempenho pós-Brasileirão, o Bahia mantém o excelente retrospecto diante do Sport no Nordestão. Em 11 jogos entre 1994, são 5 triunfos e 6 empates. Pois é, o Sport nunca venceu o rival, dentro ou fora de casa. E desta vez chegou nem perto, se mantendo na lanterna do Grupo B após quatro rodadas. E já não vence na temporada há sete jogos, com 3E e 4D…

Escalação do Bahia (melhores: Rodriguinho, Patrick e Gabriel Novaes)
Douglas; Nino Paraíba (João Pedro, 37/2T), Lucas Fonseca, Juninho (Ignácio, 32/2T)e Maheus Bahia; Patrick, Edson (Raniele, 26/2T), Daniel (Ramon, 32/2T) e Rodriguinho; Gabriel Novaes e Gilberto (Alesson, 37/2T). Técnico: Dado Cavalcanti

Escalação do Sport (melhor: Carlos: piores: Tavares, Dalberto e Ricardinho)
Carlos Eduardo; Ewerthon, Adryelson, Maidana e Júnior Tavares; Marcão, Ricardinho (Toró, intervalo), Betinho (Ítalo, 30/2T) e Gustavo (Neilton, 14/2T); Mikael (Paulinho, 41/2T) e Dalberto. Técnico: Jair Ventura

Histórico geral de Bahia x Sport (todos os mandos)
94 jogos
27 vitórias rubro-negras (28,7%)
29 empates (30,8%)
38 triunfos tricolores (40,4%)

A análise do Podcast 45 Minutos (Cascio Cardoso, Celso Ishigami e Fred Figueiroa):

Leia mais sobre o assunto
A tabela detalhada da Copa do Nordeste de 2021, já com 16 jogos na tevê aberta

Abaixo, assista aos melhores momentos do jogo, num vídeo do perfil da Copa do Nordeste.


Compartilhe!
  •  
  • 17
  •  
  •