Compartilhe!

Léo Lemos/Náutico

Em sua 5ª participação na Copa do Nordeste desde a volta do torneio ao calendário, em 2013, finalmente o Náutico passou da fase de grupos. Dando sequência a uma longa invencibilidade na temporada, agora de 16 jogos (10V e 6E), o campeão pernambucano empatou com o Vitória no Barradão, em 1 x 1, e chegou às quartas de final, ganhando a bonificação de R$ 300 mil.

O curioso é que o resultado também classificou o rubro-negro baiano, que não venceu um jogo sequer no grupo A (7E e 1D), avançando graças ao regulamento sem confronto direto dentro dos grupos – no B, o timbu somou 15 pontos, oito a mais. Esse foi o primeiro lampejo de alegria esportiva do leão da barra em 2019, ano de crise técnica, política e financeira.

Talvez por isso, o mandante tenha começado tão afobado. Ao menos conseguiu deixado o Náutico em seu campo defensivo. Marcando a saída e ligando o ataque, o Vitória chegou seguidas vezes. Na primeira, Neto Baiano perdeu cara a cara – ao longo da tarde, perderia outras 2x. Depois, Andrigo se atrapalhou. Na terceira, aos 11, Ruy pegou a bola no bico da área e mandou no ângulo, golaço. Àquela altura, o timbu já começava a “secar” os adversários, pois o futebol não fluía. Contudo, o Vitória esfriou – afinal, segue sendo um time irregular – e deu campo. Por volta dos 32 minutos, após algumas tentativas, Jorge Henrique clareou a jogada pela direita e cruzou para Odilávio empatar de cabeça. Um gol para aliviar a barra de Márcio Goiano, que havia deixado Wallace Pernambucano no banco, mais uma vez. Obviamente pelo estado físico, mas o jogo era decisivo – e o centroavante vem entrando no decorrer quase sempre.

No 2T, com CSA e Bahia perdendo (só o time alagoano conseguiria virar), o alvirrubro foi mais precavido. Não mais do que o Vitória, plenamente satisfeito com o resultado, uma vez que o Salgueiro perdia no sertã por um placar elástico. Com algumas chances desperdiçadas, a partida “acabou” por volta dos 45 minutos, com as equipes tocando a bola. Ao Náutico, o apito final demorou mais um pouco, até chegar a informação confirmando o revés do Bahia no Castelão em São Luis. Resultado que colocou o clube a caminho de outro Castelão, o de Fortaleza, contra o Ceará. Curiosamente, o mesmo destino do Vitória, diante do Fortaleza…

Escalação do Náutico (melhores: 1 Jorge Henrique, 2 Bruno, 3 Odilávio)
Bruno; Hereda, Diego, Sueliton e Assis; Josa, Luiz Henrique e Danilo Pires (Maylson, 29/2T); Thiago, Odilávio (Wallace PE, 16/2T) e Jorge Henrique (Fábio, 34/2T). Técnico: Márcio Goiano

Escalação do Vitória (melhores: 1 Ruy, 2 Erick, 3 Edcarlos)
João Gabriel; Jeferson, Victor Ramos, Edcarlos e Fabrício; Léo Gomes, Paulo Vítor (Rodrigo Andrade, 27/2T) e Ruy (Léo Ceará, 35/2T); Yago, Neto Baiano e Andrigo (Erick, 21/1T). Técnico: Cláudio Tencati

Histórico geral de Vitória x Náutico (todos os mandos)
49 jogos
19 vitórias alvirrubras (38,7%)
13 empates (26,5%)
17 vitórias rubro-negras (34,6%)

Campanhas do Náutico na volta do Nordestão (entre parênteses, a premiação)
2013 – não participou
2014 – Fase de grupos (R$ 350 mil)
2015 – Fase de grupos (R$ 365 mil)
2016 – não participou
2017 – Fase de grupos (R$ 600 mil)
2018 – Fase de grupos (R$ 750 mil)
2019 – Quartas de final (R$ 2,035 milhões), em andamento
Total de cotas (até o momento): R$ 4,1 milhões

A análise do Podcast 45 Minutos (do minuto 20 ao 40):

Vitória/twitter (@ecvitoria)


Compartilhe!