Compartilhe!
  •  
  • 14
  •  
  •  

O primeiro gol timbu no Castelão, através de Álvaro, o “amuleto”. Fotos: Léo Lemos/Náutico.

Com uma campanha sólida e de muita valentia nos mata-matas, o Náutico chegou lá. O time de Rosa e Silva conquistou o título brasileiro da Série C de 2019, feito inédito na história alvirrubra. Neste processo de reconstrução, incluindo a volta aos Aflitos, este é o segundo título em dois anos, após um período de seca. Ou seja, vai sendo criado um novo momento no clube, agora reacostumado com as taças. E esta, obtida em São Luís, foi a primeira conquista oficial do Náutico fora do âmbito estadual. Apesar da boa vantagem construída em casa, com o 3 x 1, o time lutou demais para manter o resultado. Se reinventando em campo, conseguiu o empate, suficiente.

No 1T, o Náutico jogou muito mal. A postura ofensiva foi irrisória, com Wallace Pernambucano inutilizado. Quanto ao Sampaio, um volume de jogo se aproveitando do campo dado pelo adversário – com a marcação distante. Embora o time maranhense tenha entrado na área várias vezes, com facilidade, o gol foi num chute de média distância de Everton – Jefferson tava mal colocado no lance. Até o intervalo, o scout de finalizações apontou 6 x 1 para o mandante. E ainda teve a reclamação de um pênalti não marcado – na minha visão, Hereda fez a falta.

Dal Pozzo precisava deixar o time mais móvel no 2T, o que aconteceu na entrada de Jefferson Nem no lugar de Wallace. E o timbu enfim entrou no jogo, passando a agredir o adversário, a deixar a final mais “imprevisível”. O momento positivo deu resultado logo aos 6 minutos, com o empate. Num escanteio, lance que o timbu não havia tido até então. Jean Carlos cobrou e Álvaro fez de cabeça. O atacante de 22 anos, natural de Paudalho, brilhou demais no mata-mata, com 5 gols, sendo 1 contra o Paysandu, 3 contra o Juventude e 1 contra o Sampaio.

Mesmo numa partida mais controlada e com Jefferson se redimindo, o time da casa voltou a ficar à frente, com Salatiel – com o 8º gol, virou um dos artilheiros. Porém, logo depois, aos 39, um contragolpe fulminante, com passe de Jean Carlos para Matheus Carvalho, resultou no gol derradeiro, no gol do título, 2 x 2. Este foi o 5º duelo em 2019, com 4V e 1E. O Náutico foi melhor o ano inteiro. E quando não venceu, ganhou uma taça. Parabéns aos alvirrubros!

Escalação do Náutico (melhores: 1 Álvaro, 2 Jefferson, 3 Lombardi; pior: Wallace)
Jefferson; Hereda, Diego, Lombardi e Willian Simões; Josa, Jhonnatan (Jiménez, 32/2T) e Jean Carlos; Mathes Carvalho, Wallace PE (Jefferson Nem, intervalo) e Álvaro. Técnico: Gilmar Dal Pozzo

Escalação do Sampaio Corrêa (melhores: 1 Everton, 2 Salatiel; pior: Andrey)
Andrey; Everton, Odair, Paulo Sérgio e João Victor; Ferreira, Lucas Hulk (Ulisses, 24/2T) e Eloir; Esquerdinha, Kauê (Rodrigo Andrade, 14/2T) e Salatiel. Técnico: João Brigatti

Histórico geral de Sampaio x Náutico (todos os mandos)
22 jogos
11 vitórias pernambucanas (50,0%)
5 empates (22,7%)
6 vitórias maranhenses (27,2%)

Campanha do título timbu na 3ª divisão*
24 jogos (42 pontos; 34 GP e 26 GC)
12 vitórias (50%)
6 empates (25%)
6 derrotas (25%)
* Foi a melhor campanha da competição

Timbu no Nacional (1º ou 2º)
1967 – Vice da Série A
1988 – Vice da Série B
2011 – Vice da Série B
2019 – Campeão da Série C

Títulos oficiais do Náutico
1 Série C (2019)
22 Campeonatos Pernambucanos (1934, 1939, 1945, 1950/1951/1952, 1954, 1960, 1963/1964/1965/1966/1967/1968, 1974, 1984/1985, 1989, 2001/2002, 2004 e 2018)

Principais títulos extraoficiais
1 Copa dos Campeões do Norte (1966)
1 Torneio dos Campeões Norte-Nordeste (1952)
3 Copas Norte da Taça Brasil (1965, 1966 e 1967)

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, João de Andrade e Rodolpho Moreira):


Compartilhe!
  •  
  • 14
  •  
  •