Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

O ponta Waguininho recebeu livre e marcou o segundo gol do coxa. foto: Coritiba/Twitter.

No confronto entre os dois melhores times da Série B, até o momento, o Náutico acabou sentindo o peso dos desfalques. Há algumas rodadas já havia perdido o zagueiro Wagner Leonardo, com o retorno solicitado pelo Santos, e o ponta Erick, sem acerto após o empréstimo. Por lesão, perdeu depois duas peças ainda mais importantes. Com uma lesão muscular, o meia Jean Carlos acabou de fora diante do Coritiba – ao menos, a tendência é que ele volte no próximo jogo. Já Kieza, que machucou o tendão, acabou submetido a uma cirurgia e está fora do BR.

Nota-se que Hélio dos Anjos precisou armar um time tecnicamente bem abaixo. Apesar do entrosamento tático e da confiança adquirida neste ano, o timbu foi mal no Couto Pereira. Sob um frio daqueles, com o termômetro chegando a 4 graus durante a partida, o alvirrubro acabou perdendo a invencibilidade. Considerando as três principais divisões do Campeonato Brasileiro, totalizando 60 clubes, o time pernambucano era o último invicto.

A sequência acabou nesta 15ª rodada, com o coxa praticamente definindo o resultado ainda no 1T. Com o setor ofensivo remendado, o visitante quase não agrediu. Quando o alviverde abriu o placar, aos 32 minutos, o scout já apontava 10 x 1. Até o intervalo, o dado foi de 12 x 3, com 2 x 0 no placar, gols de Igor Paixão (rebote) e Waguininho (que recebeu livre entre os zagueiros). No 2T, o Náutico teve mais posse de bola, chegando a 61%, segundo SofaScore, e até diminuiu aos 23 minutos, com Matheus Carvalho, mas mais num corte errado da zaga do que pela criação em si. Tanto que depois não teve chances reais para o empate, com Gamalho fechando o 3 x 1 – os três atacantes do Coritiba balançaram as redes.

Observando o resultado de forma racional, o revés não muda em nada a ótima caminhada do Náutico na segundona de 2021. Não em termos de resultado, apesar de o coxa ter ficado a 2 pontos do timbu, com um jogo a menos (30 x 28). Sobre o jogo na gelada Curitiba, o que chamou a atenção mesmo foi a queda no nível técnico do líder, a partir dos desfalques acumulados. A reposição é necessária. Para o ataque, a chegada de Caio Dantas, artilheiro da última Série B pelo Sampaio, com 17 gols, me parece um alvo certeiro. Contudo, ainda existem outras lacunas para que a forma seja plenamente recuperada.

Náutico em 15 rodadas na Série B de 2021
Mandante (8 jogos, 18 pts e 75.0%): 5V, 3E e 0D
Visitante (7 jogos, 12 pts e 57.1%): 3V, 3E e 1D

A comparação da campanha com os acessos do timbu na Série B após 15 jogos
1º) 2021 – 30 pontos (8V, 6E e 1D; 1º lugar)
2º) 2011 – 26 pontos (7V, 5E e 3D; 3º lugar)
3º) 2006 – 25 pontos (7V, 4E e 4D; 3º lugar)

Escalação do Coritiba (melhores: Waguininho e Willian Farias)
Wilson; Natanael (Igor), Henrique, Luciano Castán e Guilherme Biro; Willian Farias, Val (Bernardo) e Robinho (Rafinha); Waguininho, Léo Gamalho (Wellington Carvalho) e Igor Paixão (Romário). Técnico: Gustavo Morínigo

Escalação do Náutico (melhor: Matheus; piores: Rafinha, Hereda e Marciel)
Alex Alves; Hereda (Breno), Camutanga (Yago), Carlão e Rafinha (Matheus Carvalho); Rhaldney (Vinícius Vargas), Matheus Trindade e Marciel (Iago); Bryan, Paiva e Vinícius. Técnico: Hélio dos Anjos

Histórico geral de Coritiba x Náutico (todos os mandos)
23 jogos
8 vitórias alvirrubras (34,7%)
5 empates (21,7%)
10 vitórias paranaenses (43,4%)

A análise do Podcast 45 Minutos sobre a partida (do tempo 0h05 até 0h52):

Abaixo, assista aos gols da partida, através do perfil oficial da Série B no Twitter.


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •