Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

Os presidentes da CBF e da Anaf durante o encontro em maio. Foto: Anaf/divulgação.

No fim de semana, 16 dos 27 campeonatos estaduais de 2021 foram definidos em finais, várias com clássicos. Nos principais jogos, o árbitro de vídeo foi utilizado, a partir do uso remoto com a sede no Rio de Janeiro. Além disso, os nomes do quadro da Fifa foram acionados país afora, como em Pernambuco, com a presença do paranaense Rodolpho Toski Marques.

Em 24/05, na segunda-feira seguinte às decisões estaduais, a Associação Nacional dos Árbitros de Futebol, a Anaf, publicou uma nota com uma informação impactante, e descabida na mesma proporção. Trata-se do acordo entre Rogério Caboclo, o presidente da CBF, e Salmo Valentim, o presidente da associação crida em 1997. Eis o trecho: “O encontro terminou com o compromisso firmado pela CBF de atender mais uma reivindicação histórica da arbitragem nacional. Nos próximos dias, a entidade deve emitir uma circular em que recomenda a não utilização dos ‘árbitros de fora’ nos Estaduais a partir de 2022. Neste caso, as federações teriam que escalar apenas profissionais dos seus respectivos quadros”.

Valentim presidiu a Comissão de Árbitros de PE até 2018, quando virou o 7º presidente da Anaf. Hoje, a entidade nacional conta com 390 árbitros, sendo 32 pernambucanos. Por sinal, durante o recém-encerrado Campeonato Pernambucano, a solicitação de “árbitros de fora” por parte de Sport e Retrô gerou muita reclamação no núcleo, que chegou a decidir não apitar mais jogos dos dois clubes, com a decisão sendo revogada logo depois. De antemão, acho fraco o nível técnico do quadro local. E nos estados vizinhos também. A arbitragem da Copa do Nordeste de 2021 foi lamentável. Por isso, a figura do “árbitro de fora” costumeiramente representa um árbitro mais capacitado e experiente, geralmente do quadro da Fifa.

Entendo o pedido da Anaf como um pedido pensando só na entidade, ponto. A mesma nota diz que, na visão da Anaf, “toda vez que as federações cedem a pressões externas de clubes ou terceiros para escalar ‘árbitros de fora’, os profissionais da casa são depreciados perante à opinião pública e o trabalho realizado pelas Comissões de Arbitragem nos Estados fica completamente comprometido”. Que a preparação, técnica e física, seja melhor, que o condicionamento para as grandes partidas seja melhor. Não adianta forçar uma barra contra isso. Afinal, em boas condições o quadro local seria prestigiado – qualquer um, creio. Portanto, vejo como descabido o possível aval da confederação no primeiro parágrafo da nota da Anaf, que acabou sendo replicado no site da FPF, próxima aos anseios da Ceaf-PE, naturalmente.

A decisão sobre a possibilidade de um árbitro de fora, cujo custo é maior (com taxas e viagens), cabe aos clubes envolvidos, caso entendam a necessidade de um trio teoricamente melhor. Na final do PE, por exemplo, os dois jogos contaram com o VAR e com árbitros da Fifa. Segundo Valentim, “esse é um problema histórico no nosso futebol, principalmente nos estados das regiões Norte e Nordeste”. Porém, cinco das sete finais no NE tiveram árbitros locais. A alegação não bate. E as exceções foram justamente em dois duelos de peso, com o Clássico dos Clássicos no Recife e com o Clássico-Rei em Fortaleza.

Será que as direções dos clubes concordariam com o veto à possibilidade? Será que os torcedores concordariam com o veto? Será que os jogadores concordariam com o veto? Por qual motivo o presidente da CBF publicaria uma circular com uma “recomendação” tão, digamos, arbitrária?

Árbitros das decisões estaduais do Nordeste em 2021*
-Alagoas (CRB x CSA): Denis Ribeiro Serafim (AL; CBF)
-Bahia (Bahia de Feira x Atlético): Marielson Alves Silva (BA; CBF)
-Ceará (Fortaleza x Ceará): Rafael Traci (SC; Fifa)
-Maranhão (Sampaio x Moto Club): Mayron Frederico dos Reis Novais (MA; CBF)
-Pernambucano (Náutico x Sport): Rodolpho Toski Marques (PR; Fifa)
-Piauí (Altos x Fluminense): Antônio Dib Moraes de Sousa (PI; CBF)
-Sergipe (Lagarto x Sergipe): Fábio Augusto Santos Sá (SE; CBF)
* Paraíba e Rio Grande Norte ainda não haviam acabado até esta publicação


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •