Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

O chaveamento com os seis clubes ainda na disputa pela taça. Clássico já na semifinal?.

A 9ª rodada do Campeonato Pernambucano definiu o chaveamento da fase eliminatória na disputa pelo título de 2021. Ao todo foram 45 jogos em 68 dias, com 6 clubes classificados entre os 10 participantes. Acima, o caminho do mata-mata rumo ao título da 107ª edição da principal competição do futebol local. Ao contrário da edição anterior, que garantiu um time intermediário na decisão já formação do chaveamento, desta vez a composição é bem mais complicada para este cenário.

Afinal, os três grandes da capital se classificaram e dois deles, Náutico e Sport, já estão assegurados na semifinal. Em 2020 as classificações antecipadas à 3ª fase foram de Santa Cruz e Salgueiro, que acabaram fazendo a final, com o título inédito do interior. Tecnicamente, os dois semifinalistas de 2021 me parecem bem à frente dos demais concorrentes.

Vale lembrar que as quartas de final e a semifinal serão disputadas em jogos únicos – com disputa de pênaltis em caso de empate nos 90 minutos. A 2ª fase será já neste meio de semana, na noite de quarta-feira. No próximo fim de semana, as duas semifinais, ambas no Recife, com a data básica em 9 de maio. Só a final será em ida e volta, nos dias 16 e 23.

A tabela das quartas de final (e as transmissões na TV)
05/05 (18h45) – Salgueiro x Vera Cruz (Cornélio de Barros), SporTV e Premiere
05/05 (21h00) – Santa Cruz x Afogados (Arruda), Premiere

A tabela da semifinal (datas básicas)
09/05 (16h00) – Náutico x a definir (Santa Cruz ou Afogados), nos Aflitos
09/05 (16h00) – Sport x a definir (Salgueiro ou Vera Cruz), na Ilha do Retiro

Pitaco para a semifinal: Náutico x Santa Cruz e Sport x Vera Cruz. E na sua opinião?

Leia mais sobre o assunto
O resumo da 1ª fase do Pernambucano de 2021, com Náutico e Sport já na semifinal

Abaixo, o histórico de participações nas quartas de final, presente no PE pela 4ª temporada. Nas duas primeiras, em 2018/2019, foram oito times. Nas duas últimas, em 2020/2021, foram seis times. Considerei, a título de participação, os clubes classificados diretamente pra semi.

Nº de quartas de final disputadas no período 2018-2021 (28 vagas)
1º) 4x – Afogados, Náutico*, Salgueiro* e Santa Cruz*
5º) 3x – Central e Sport*
7º) 2x – Vitória
8º) 1x – América, Petrolina, Retrô e Vera Cruz
* Incluindo uma passagem direto à semi

Nº de semifinais disputadas no período 2010-2020 (44 vagas)
1º) 10x – Náutico e Sport
3º) 9x – Santa Cruz
4º) 8x – Salgueiro
5º) 3x – Central
6º) 2x – Afogados
7º) 1x – Porto e Ypiranga

A seguir, o histórico dos seis “finalistas” na era do mata-mata, com o modelo presente no Pernambucano, de forma contínua, desde 2010. A apresentação vai na ordem da classificação final na 1ª fase de 2021. O desempenho em mata-matas não contabiliza a decisão de 3º lugar.

(1º) Náutico no Estadual na era do mata-mata
2010 – Final (vice)
2011 – Semifinal (3º lugar)
2012 – Semifinal (4º lugar)
2013 – Semifinal (3º lugar)
2014 – Final (vice)
2015 – Não se classificou (6º lugar)
2016 – Semifinal (3º lugar)
2017 – Semifinal (4º lugar)
2018 – Final (campeão)
2019 – Final (vice)
2020 – Semifinal (3º lugar)
2021 – Semifinal (a disputar, vs Santa Cruz ou Afogados), passou com 7V, 1E e 1D
Desempenho (17 duelos; 47% de aproveitamento): 8 classificações e 9 eliminações

A arrancada com sete vitórias, igualando o recorde particular em mais de 100 participações no PE, garantiu a liderança por antecipação ao Náutico, tendo ainda a benesse da vaga à Copa do Brasil de 2022 – algo que faltou para a temporada 2021. O timbu chega com os três principais artilheiros da competição: Kieza (7 gols), Erick (5) e Vinícius (5). Todos em condições de jogo para a semi, nos Aflitos. Visando este jogo, foram poupados quatro titulares contra o Sport, na 9ª rodada.

(2º) Sport no Estadual na era do mata-mata
2010 – Final (campeão)
2011 – Final (vice)
2012 – Final (vice)
2013 – Final (vice)
2014 – Final (campeão)
2015 – Semifinal (3º lugar)
2016 – Final (vice)
2017 – Final (campeão)
2018 – Semifinal (3º lugar)
2019 – Final (campeão)
2020 – Não se classificou (7º lugar)
2021 – Semifinal (a disputar, vs Salgueiro ou Vera Cruz), passou com 6V, 2E e 1D
Desempenho (20 duelos; 70% de aproveitamento): 14 classificações e 6 eliminações

O Sport iniciou com uma formação repleta de juniores, mas à medida em que foi saindo dos outros torneios (Copa do Brasil e Nordestão), passou a utilizar a força máxima no Estadual. Na semifinal, na Ilha, o técnico Umberto Louzer fará apenas o seu terceiro jogo no clube – que trouxe peças ofensivas nesta reta final, como o ponta Everaldo. Por sinal, o último jogo da 1ª fase, diante do Náutico, foi o melhor desempenho do time na temporada 2021.

(3º) Salgueiro no Estadual na era do mata-mata
2010 – Não se classificou (8º lugar)
2011 – Não se classificou (6º lugar)
2012 – Semifinal (3º lugar)
2013 – Não se classificou (11º lugar)
2014 – Semifinal (3º lugar)
2015 – Final (vice)
2016 – Semifinal (4º lugar)
2017 – Final (vice)
2018 – Semifinal (4º lugar)
2019 – Semifinal (4º lugar)
2020 – Final (campeão)
2021 – Quartas (a disputar, vs Vera Cruz), passou com 4V, 2E e 3D
Desempenho (13 duelos; 46% de aproveitamento): 6 classificações e 7 eliminações

Mesmo imerso numa grave crise financeira, o atual campeão seguiu como o melhor time do interior na fase classificatória. No entanto, o Salgueiro acabou perdendo o atacante e ídolo Ciel e o técnico português Daniel Neri, ambos para o Sampaio Corrêa. No comando, o clube optou por efetivar o ex-lateral Marcos Tamandaré. O confronto nas quartas é o mais acessível, mas a fase do carcará não é das melhores.

(4º) Santa Cruz no Estadual na era do mata-mata
2010 – Semifinal (3º lugar)
2011 – Final (campeão)
2012 – Final (campeão)
2013 – Final (campeão)
2014 – Semifinal (4º lugar)
2015 – Final (campeão)
2016 – Final (campeão)
2017 – Semifinal (3º lugar)
2018 – Quartas (6º lugar)
2019 – Quartas (5º lugar)
2020 – Final (vice)
2021 – Quartas (a disputar, vs Afogados), passou com 3V, 4E e 2D
Desempenho (17 duelos; 64% de aproveitamento): 11 classificações e 6 eliminações

Após a derrota para o Sete de Setembro, no 7º dos 9 jogos da primeira fase, o Santa se viu ameaçado pelo quadrangular do rebaixamento. Porém, trocou novamente de técnico, reagiu nos jogos restantes e cravou a vaga no mata-mata, sendo o único a disputar a fase eliminatória nos doze anos deste recorte da competição. E ainda terá o mando de campo no Aruda, aumentando a chance de avançar à semi.

(5º) Afogados no Estadual na era do mata-mata
2010 – Não disputou
2011 – Não disputou
2012 – Não disputou
2013 – Não disputou
2014 – Não disputou
2015 – Não disputou
2016 – Não disputou
2017 – Não se classificou (8º lugar)
2018 – Quartas (8º lugar)
2019 – Semifinal (3º lugar)
2020 – Semifinal (4º lugar)
2021 – Quartas (a disputar, vs Santa Cruz), passou com 2V, 6E e 1D
Desempenho (5 duelos; 40% de aproveitamento): 2 classificação e 3 eliminações

O clube de Afogados da Ingazeira chega ao mata-mata pelo 4º ano seguido. Nas últimas duas edições a coruja conseguiu passar das quartas, tirando Santa e Retrô como visitante. Curiosamente, o time de Sérgio China terá um reencontro nesta fase, com o Santa, novamente no Arruda. Fase eliminatória à parte, a 5ª colocação na 1ª fase do PE também valeu a vaga na Série D de 2022, sendo a 2ª participação do clube no BR.

(6º) Vera Cruz no Estadual na era do mata-mata
2010 – Não se classificou (11º)
2011 – Não disputou
2012 – Não disputou
2013 – Não disputou
2014 – Não disputou
2015 – Não se classificou (11º)
2016 – Não disputou
2017 – Não disputou
2018 – Não disputou
2019 – Não disputou
2020 – Não disputou
2021 – Quartas (a disputar, vs Salgueiro), passou com 3V, 2E e 4D
Desempenho: estreante

O time de Vitória de Santo Antão se classificou na última rodada. Chegou na 9ª rodada com 3 pontos à frente do Retrô e conseguiu administrar a vantagem, embora tenha terminado com apenas 1 a mais, a partir do suado empate com o Sete, fora de casa. Em toda a história o clube só participou cinco vezes do Pernambucano, sendo três na era do mata-mata. E esta campanha em 2021 já é a melhor no período.

A análise do Podcast 45 Minutos sobre os jogos das quartas de final:


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •