Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma imagem ilustrativa sobre o desmonte total do estádio, o de menor vida útil da história.

A Copa do Mundo de 2022 será a 22ª da história. Contabilizando já a edição do Catar, são mais de 200 estádios mundialistas. Entre palcos imensos e arenas, caminhos bem distintos para a escolha, com estruturas já existentes, projetos de modernização ou expansões urbanas em quase todos os casos. O “quase” se deve ao Ras Abu Aboud, um dos oito palcos catarianos, presente na área portuária de Doha. O estádio foi projetado já com prazo de validade. Literalmente, até a Copa.

O empreendimento ocupa uma área de 450 mil m², com a estrutura do futebol sendo provisória. Outros estádios já tiveram setores provisórios num Mundial, como por exemplo a Arena Corinthians e a Arena das Dunas, que tiveram 20 mil e 9 mil cadeiras a mais em 2014. Neste caso no Oriente Médio a retirada será geral nos 40 mil lugares. A arena receberá jogos até as quartas de final. Depois do evento da Fifa o local irá virar um parque público, com a estrutura de arquibancada e da cobertura sendo repassada a outras instalações esportivas no país e no exterior. Ou seja, o estádio será revertido em alguns ginásios e auditórios. Na história, outros palcos mundialistas foram demolidos, mas anos depois. Neste, será imediato.

A explicação, além do famoso “Legado da Copa”, vem do material utilizado. Das edificações demolidas antes do estádio, 80% dos materiais foram reutilizados na obra, entre metais, eletrônicos e resíduos. Porém, o que realmente chama a atenção na montagem é a utilização de contêineres reciclados – os mesmos vistos em navios que costumam atracar no próprio porto. Pelo projeto, seriam necessários 949, com 932 já entregues até esta publicação. Todos num processo de encaixe para ser, de forma proposital, desmontável. Uma espécie de “Lego”. Além do aço, os contêineres (amarelos, azuis e vermelhos, as cores presentes nas rotas locais) fazem parte do próprio design da fachada, “refletindo a história marítima do Catar”.

A seguir, imagens sobre as fases do projeto, com o passado, o futuro breve e o futuro a longo prazo. Na sequência, um vídeo detalhando o projeto. Ao todo, as oito arenas de 2022 ficarão separadas por no máximo 55 km, a inferior, por exemplo, à distância entre o Recife e Porto de Galinhas.

O terreno antes da obra do estádio.

A projeção do estádio durante a Copa do Mundo

A projeção do parque após a Copa do Mundo.

Curiosidade – Dos oito estádios previstos para 2022, seis têm a mesma capacidade: 40 mil torcedores. As exceções são o Al Bayt, com 60 mil lugares e que deve receber uma das semifinais, e o Lusail, no norte de Doha, com 80 mil assentos. Este receberá a abertura e a final.

Abaixo, assista ao vídeo oficial de divulgação com o passo a passo do Ras Abu Aboud.


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •