Compartilhe!

Obs. Não pude assistir ao jogo. Então, o texto só relata o contexto da copa. Foto: Rafael Melo/Santa.

O Santa Cruz começou a rodada em 5º lugar no grupo B da Copa do Nordeste, mas, na prática, a chance de classificação do tricolor era bem razoável, pelo momento técnico do time e pelos jogos dos adversários, sobretudo o do Náutico, que teria o Bahia pela frente.

Dito e feito. Os corais corresponderam no interior baiano e venceram o River, com o volante Paulinho definindo o placar de 1 x 0, enquanto o timbu foi goleado em Salvador – ambos as vantagens (pelo viés do Santa, claro) foram construídas ainda no primeiro tempo. Assim, o Santa mantém o seu histórico competitivo no torneio regional. Considerando o período atual, com a volta oficial em 2013, são sete participações em oito anos. Em todas as campanhas, o tricolor avançou ao mata-mata, com a melhor jornada em 2016, quando sagrou-se campeão. E já são cinco anos consecutivos passando da fase de grupos. Na luta pelo bicampeonato, em 2020, o time coral enfrentará o Confiança (num duelo 4º x 1º). Apesar da liderança sergipana, vejo como o adversário mais acessível da chave – os outros seriam Vitória ou Ceará, bem mais pesados.

O encaixe mostrado antes da paralisação do futebol e mantido nesta volta após quatro meses, já com 2 vitórias, é algo animador para o torcedor coral visando a sequência do Nordestão, cuja campanha ainda não será afetada pelo campeonato estadual. Isso porque o time já está garantido na semifinal local – ou seja, livre dos jogos do próximo domingo, pelas quartas. O Santa irá jogar pelas quartas, sim, mas num âmbito maior. Do tamanho da ambição de um timo montado com pouco dinheiro, mas com um desempenho já satisfatório.

Curiosidade – O time pernambucano ganhou R$ 300 mil pela vaga. Como já havia recebido R$ 1,7 milhão de cota, integrando o 2º maior do grupo de cotistas do torneio, o Santa já soma R$ 2,0 mi.

Escalação do River
Mondragon; Edy, Lucas Bahia, Iran e Guto; Igor Tavares, Érico Júnior e Emerson (João Paulo); Max, Welton Eleno (Jairinho) e Emanuel (Bruninho). Técnico: Flávio Araújo

Escalação do Santa Cruz
Maycon Cleiton; Toty, Wiliam Alves, Danny Morais e Fabiano; André, Tinga (Júnior) e Paulinho (Bileu); Patrick Nonato (Kleiton), Mayco Félix (Jeremias) e Pipico (Derlis Alegre). Técnico: Lucas Isotton (Itamar Schulle suspenso)

Os confrontos na história (2V do Santa e 1E)
25/01/1966 – River 2 x 2 Santa Cruz (Teresina-PI)
28/11/1971 – River 2 x 4 Santa Cruz (Teresina-PI)
22/07/2020 – River 0 x 1 Santa Cruz (Riachão do Jacuípe-BA)

Campanhas do Santa na volta do Nordestão (entre parênteses, a premiação)
2013 – Quartas de final (R$ 300 mil)
2014 – Semifinal (R$ 850 mil)
2015 – não participou
2016 – Campeão (R$ 2,385 milhões)
2017 – Semifinal (R$ 1,6 milhão)
2018 – Quartas de final (R$ 1,45 milhão)
2019 – Semifinal (R$ 2,89 milhões)
2020 – Quartas de final (R$ 2,0 milhões )
Total de cotas da cobra coral (7 edições): R$ 11,475 milhões

A análise do Podcast 45 Minutos (Diego Borges, Fred Figueiroa, Lucas Liausu e Rodolpho Moreia), do minuto 107 ao 122:

Abaixo, assista aos melhores momentos da partida, num vídeo do perfil da Copa do Nordeste.


Compartilhe!