Compartilhe!

O meia Chiquinho esteve apagado durante a partida. Foto: Heitor Ramos/NH Foto, via Santa Cruz.

Em mais uma atuação fraca, o Santa Cruz perdeu de novo e segue na lanterna da Copa do Nordeste. São três derrotas em três jogos, na pior largada da história do tricolor na competição, com 15 participações desde 1994. Até então, o pior início havia sido com 1 ponto, situação registrada em 2000 e 2020 – dados abaixo.

Agora, em 2021, os corais foram mal nas três apresentações, diante de Vitória, ABC e Salgueiro. E o time não marcou um gol sequer em 270 minutos de bola rolando – é o único zerado entre os 16 participantes. E não chega a surpreender, pois o setor ofensivo cria muito pouco. No Cornélio de Barros, um time todo travado na primeira metade. No reencontro dos finalistas do último Pernambucano, o atual campeão foi muito melhor, com mais movimentação e variação de jogadas. O placar de 1 x 0 foi justo.

O carcará abriu o placar logo aos 3 minutos, com o zagueiro Leozão, de cabeça. O defensor de 1,87m vem mostrando muita força na bola aérea. Já são quatro gols na temporada, sendo 2 no PE e 2 no NE. De forma justa, até por salvar um lance aos 49 do segundo tempo, ele foi eleito o melhor em campo. Porém, existem outros destaques do mandante, como o meia Cássio Ortega, que acertou o travessão no 1T e armou bons contragolpes no 2T.

Quanto ao visitante, o volume de jogo só existiu na segunda etapa, mas sem organização. Repleto de jogadores experientes, mas sem alguém que chamasse, efetivamente, a responsabilidade. Em relação ao futebol praticado, era mais vontade do que estratégia, com o rendimento final sendo o mesmo dos jogos anteriores, num mau sinal para a equipe de Brigatti, que não pôde ficar na área técnica devido ao teste positivo para Covid-19.

Lanternas das multidões
Até esta partida, os dois times ocupavam as lanternas de suas chaves na Lampions, com o Santa no Grupo A e o Salgueiro no Grupo B. Com o resultado positivo na abertura desta 3ª rodada, o clube sertanejo deixou a última posição da chave para o Sport. Curiosamente, o domingo reserva uma edição do Clássico das Multidões, este válido pelo Estadual, mas com a pressão gerada pelos insucessos em outros torneios durante a semana. E ambos com derrota para o Salgueiro, diga-se.

O desempenho do Santa nos 3 primeiros jogos no Nordestão*
1ª) 1994 – 2V, 0E e 1D (6 pontos)
2ª) 1997 – 1V, 0E e 2D (3 pontos)
3ª) 1998 – 3V, 0E e 0D (9 pontos; 100%)
4ª) 2000 – 0V, 1E e 2D (1 ponto)
5ª) 2001 – 2V, 0E e 1D (6 pontos)
6ª) 2002 – 2V, 0E e 1D (6 pontos)
7ª) 2010 – 1V, 2E e 0D (5 pontos)
8ª) 2013 – 2V, 0E e 1D (6 pontos)
9ª) 2014 – 1V, 1E e 1D (4 pontos)
10ª) 2016 – 1V, 1E e 1D (4 pontos)
11ª) 2017 – 2V, 1E e 0D (7 pontos)
12ª) 2018 – 2V, 1E e 0D (7 pontos)
13ª) 2019 – 1V, 1E e 1D (4 pontos)
14ª) 2020 – 0V, 1E e 2D (1 ponto)
15ª) 2021 – 0V, 0E e 3D (0 ponto; 0%)
* Por padronização, todas as vitórias valeram 3 pontos (o sistema foi adotado em 1995)

Escalação do Salgueiro (melhores: Leozão, Cássio e Moreilândia)
Lucas; Sinho, Ranieri, Leozão e Alan; Bruno Sena, Moreilândia, Felipe Baiano (Raimundinho), Tarcísio (Aruá) e Cássio Ortega (Richard); Thomas Anderson (Daniel Passira). Técnico: Daniel Neri

Escalação do Santa Cruz (piores: Pipico, Paulinho e William)
Martín Rodríguez; Augusto Potiguar, Willian Alves, Danny Morais (Ítalo Melo) e Célio Santos (Alan Cardoso); Caetano, Paulinho (Ítalo Henrique), Didira (Felipe Almeida) e Chiquinho; Pipico (Vinícius Balotelli) e Léo Gaúcho. Técnico: Basílio Amaral

Histórico geral de Salgueiro x Santa Cruz (todos os mandos)
43 jogos
17 vitórias corais (39,5%)
13 empates (30,2%)
13 vitórias salgueirenses (30,2%)

A análise do Podcast 45 Minutos (Celso Ishigami, Felipe Assis e João de Andrade):

Leia mais sobre o assunto
A tabela detalhada da Copa do Nordeste de 2021, já com 16 jogos na tevê aberta

Abaixo, assista aos melhores momentos do jogo, num vídeo do perfil da Copa do Nordeste.


Compartilhe!