Compartilhe!

O experiente Didira jogou os 90 minutos no Mangueirão. Foto: Samara Miranda/Remo.

Num jogo de muita eficiência na defesa e efetividade no ataque, o Santa Cruz venceu o Remo no Mangueirão e consolidou a liderança do Grupo A de forma antecipada. Isso mesmo. O tricolor já garantiu a 1ª colocação faltando três jogos, o que indica uma campanha recorde na Série C. Neste momento, já é a 3ª maior da história da fase classificatória – e dificilmente não será a maior, considerando o ritmo de pontuação do time de Marcelo Martelotte, que vem sem freio.

Ainda há outras nuances interessantes sobre a partida em Belém. O time pernambucano voltou a vencer o tradicional adversário paraense como visitante depois de 30 anos. Antes, havia feito 1 x 0 em 16 de setembro de 1990, na Série B. De lá pra cá, oito jogos sem vitórias por lá diante do Remo, com 3E e 5D. O tabu acabou com o placar de 2 x 0, construído no segundo tempo, com gols de Jeremias (escorando um cruzamento aos 13) e Caio Mancha (de pênalti as 45). Os gols não foram consequência de um domínio, mas da tal efetividade.

O Remo finalizou muito mais nos dois tempos, com 10 x 2 no 1T e 11 x 3 no 2T. No total, 21 x 5! Na defesa, o time coral, bastante mexido (com seguidos desfalques devido à Covid-19), mostrou muita entrega, além de uma apresentação de primeira linha do jovem goleiro Maycon Cleiton. À parte de uma saída pressionada com os pés, o goleiro fez tudo certo, com elasticidade e posicionamento. Sem contar o lance aos 25 minutos, já com o 1 x 0, quando parou Felipe Gedoz, estreante e principal contratação do leão azul nesta terceirona. Ele pegou o pênalti e o rebote do meia – em lados diferentes, frisando.

Assim, o goleiro foi um dos pilares da 7ª vitória consecutiva do Santa Cruz no Campeonato Brasileiro, ampliando a série invicta para dez jogos, com 8V e 2E. Curiosamente, esta sequência começou na estreia de Martelotte, diante do próprio Remo, no Arruda. O campeonato deu uma volta, os clubes se reencontraram e o Santa segue melhor.

As 10 melhores campanhas na 1ª fase da Série C (2012-2020; 18 jogos)
1º) 39 pontos – Fortaleza, 2012 (11V, 6E e 1D)
2º) 38 pontos – Guarani, 2016 (11V, 5E e 2D)*
3º) 36 pontos – Santa Cruz, 2020 (11V, 3E e 1D), em 15 jogos
4º) 36 pontos – Fortaleza, 2015 (10V, 6E e 2D)
5º) 35 pontos – ASA, 2015 (10V, 5E e 3D)
5º) 35 pontos – Boa Esporte, 2016 (10V, 5E e 3D)*
5º) 35 pontos – Botafogo-SP, 2018 (10V, 5E e 3D)*
5º) 35 pontos – Operário-PR, 2018 (10V, 5E e 3d)*
9º) 35 pontos – Fortaleza, 2014 (9V, 8E e 1D)
10º) 34 pontos – Luverdense, 2012 (10V, 4E e 4D)
* Conseguiu o acesso no mata-mata

Santa Cruz em 15 rodadas na Série C de 2020
Mandante (7 jogos, 19 pts e 90.4%): 6V, 1E e 0D
Visitante (8 jogos, 17 pts e 70.8%): 5V, 2E e 1D

Escalação do Remo (pior: Gedoz)
Vinícius; Ricardo Luz, Mimica, Rafael Jansen e Marlon; Lucas Siqueira, Charles (Júlio Rusch) e Carlos Alberto (Felipe Gedoz); Gustavo Ermel (Ronald), Hélio e Eron. Treinador: Paulo Bonamigo

Escalação do Santa Cruz (melhores: Maycon, Célio e André)
Maycon Cleiton; Bileu (Jeremias), Célio Santos, Elivelton e Leonan; André, Tinga (João Cardoso) e Didira; Jáderson (Negueba), Lourenço e Victor Rangel (Caio Mancha). Treinador: Marcelo Martelotte

Histórico geral de Remo x Santa Cruz (todos os mandos)
45 jogos
19 vitórias tricolores (42,2%)
10 empates (22,2%)
16 vitórias azulinas (35,5%)

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Celso Ishigami e Diego Borges):


Compartilhe!