Compartilhe!
  •  
  • 6
  •  
  •  

O zagueiro Thyere fez um gol, acertou a trave e foi expulso no fim. Foto: Anderson Stevens/Sport.

Embora tenham entrado em campo como lanternas em seus grupos, Santa Cruz e Sport fizeram um dos melhores jogos da Copa do Nordeste, ao menos termos de emoção. Com a confusa arbitragem de Wagner Reway, do quadro da PB, cada time teve um lance capital “a favor”, além da falta de critério disciplinar. No fim, num dos poucos acertos, o atacante Jonas Toró converteu um pênalti e definiu a primeira vitória rubro-negra no torneio regional. Segue com chances, mas ínfimas, assim como o time coral. De toda forma, o jogo no Arruda foi tecnicamente bem superior ao de 17 dias atrás, pelo Estadual, no mesmo local, mas com formações alternativas.

A seguir, um relato da partida, consciente de que a disputa deve alimentar debates nos próximos dias, como um Clássico das Multidões daqueles – e a audiência prova isso, com a TV Jornal liderando sobre a Globo no Recife, “enfrentando” novela e filme. Partindo pra peleja, o 1T foi movimentado além da conta, com os dois times buscando o ataque, apesar do jogo mais consistente ter sido o do Santa, escalado com três volantes. Com o Sport tendo, de novo, dificuldade na saída, o tricolor explorou a recuperação da bola, tentando acelerar o ataque.

E esse volume coral se traduz em uma penalidade, com Pipico acertando o travessão aos 18, e num gol bem anulado aos 25, com William Alves escorando a falta cobrada por Chiquinho – os corais conseguiram várias faltas nas duas pontas. Quanto ao visitante, o gol acabou saindo num escanteio esporádico com uma sucessão de erros. Do próprio Sport, com Thiago Neves furando a bola, o que acabou atrapalhando o posicionamento da defesa coral, com Adryelson pegando mascado e com Thyere batendo ainda mais mascado. É uma lance de VAR, mas no ângulo que é possível analisar, o zagueiro leonino pareceu pouco à frente.

No 2T, em vantagem, o Sport começou bem melhor, aproveitando as brechas do Santa, que necessitava reagir. Só que não houve efetividade coral houve naquele momento, com o segundo gol leonino bem mais maduro. Foram três chances cara a cara em dez minutos, com Jordan defendendo os chutes de Patric e Neilton. E Neilton ainda finalizou mal outra vez, batendo pra fora. Ao se recompor da blitz, o Santa passou a chegar com Madson. Duas vezes, ambas com perigo. Na segunda, o ponta forçou a jogada sobre Patric, com outro pênalti a favor do mandante – esse inexistente. Desta vez foi Chiquinho na cobrança. E empatou.

Apesar disso, a etapa complementar seguiu sendo do leão, que rodou a bola e insistiu até o fim, com Jordan sendo o melhor em campo. Foram pelo menos quatro boas defesas. Quando não defendeu, a trave salvou. Paralelamente a isso, vermelhos diretos questionáveis para Marcel e Thyere. Por fim, já nos acréscimos, aos 50 minutos, uma cabeçada de Adryelson no braço levantado de Ítalo resultou numa penalidade para o visitante – considerei correta a marcação. Após as discussões, Toró assumiu a responsa e bateu no canto, Santa 1 x 2 Sport.

Escalação do Santa Cruz (melhores: Jordan e Madson; piores: Ítalo, Karl e Pipico)
Jordan; Ítalo Mel, William Alves, Júnior Sergipano e Alan Cardoso; Caetano, Elicarlos (Marcel, 6/2T), Karl e Chiquinho; Madson (Felipe Almeida, 29/2T) e Pipico (Léo Gaúcho, 43/2T). Técnico: João Brigatti

Escalação do Sport (melhores: Thyere, Marcão e Gustavo; piores: Neilton e Mikael)
Luan Polli; Patric, Adryelson, Rafael Thyere e Sander; Marcão (Ricardão, 35/2T), Betinho e Thiago Neves (Gustavo, 27/2T); Neilton (Chico, 42/2T), Mikael (Dalberto, 27/2T) e Maxwell (Jonas Toró, intervalo). Técnico: Jair Ventura

Histórico de Santa Cruz x Sport no Arruda
169 jogos
51 vitórias tricolores (30,1%)
65 empates (38,4%)
53 vitórias rubro-negras (31,3%)

Geral: 563 jogos, 234V do Sport, 160E e 169V do Santa

Curiosidade
Com a suada vitória, o leão ampliou o scout sobre o rival no Nordestão. Em oito jogos são 5 vitórias do Sport e 3 vitórias do Santa. No Arruda, valendo em qualquer torneio, o rubro-negro não vencia o tricolor desde 2017 – mas, curiosamente, também foi pela Lampions.

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Celso Ishigami, Fred Figueiroa e Filipe Assis).

Abaixo, assista aos melhores momentos do jogo, num vídeo do perfil da Copa do Nordeste.


Compartilhe!
  •  
  • 6
  •  
  •