Compartilhe!

A primeira formação do time principal do Sport em 2020. Foto: Francisco Cedrim/CSA.

Ausente nas últimas duas edições, após uma decisão incompreensível do ex-presidente, o Sport voltou à Copa do Nordeste. Aliás, era um retorno cercado de expectativa e cobranças por um bom desempenho. Na primeira rodada, jogo duro contra o CSA, em Maceió. Agora em divisões invertidas, o Sport (Série A) venceu o CSA (Série B) por 1 x 0, num resultado batalhado e justo.

Foi a primeira apresentação rubro-negra com o time principal. Nos dois jogos pelo Estadual, Guto Ferreira utilizou a base – 8 nomes na 1ª rodada e 9 nomes na 2ª rodada. Agora, contou com o grupo que obteve o acesso e ainda pôde estrear os principais reforços – cuja utilização, mesmo que fosse a vontade do treinador, não seria possível antes devido a uma punição do CNRD, órgão da CBF, por causa de uma dívida com o ex-jogador Mark González.

Em relação ao jogo, é preciso dizer que a expressão “batalhado”, no primeiro parágrafo, é quase literal. Foi um jogo faltoso, com 29 infrações nos 90 minutos e três amarelos para cada lado, fora o empurra-empurra aos 24 minutos, com advertências para Elton e Alan Costa. O atacante, que ganhou a terceira oportunidade como “9” (uma vez que o Brocador ainda não tem condições), não fazia boa partida e escapou de ser expulso. Entretanto, no 2T, logo aos 3 minutos, foi fundamental no gol. Recebeu na esquerda, avançou e cruzou na medida para o uruguaio Leandro Barcia, a contratação mais surpreendente do leão nesta largada. Livre, com o zagueiro Castán marcando bobeira, o atacante escolheu o canto e cabeceou bem.

Embora o visitante tenha tido chances para ampliar, sobretudo pela postura mais organizada (e técnica) em campo, o time não matou o jogo – característica marcante do último Brasileiro. Com a zaga muito bem, principalmente na bola aérea, e Polli (o titular de fato) seguro, o Sport segurou uma vitória importante, já iniciando na frente de Bahia e Fortaleza, os principais concorrentes no grupo A – ambos empataram na estreia, também fora de casa.

Curiosidade – Esta é a 13ª campanha do Sport em 17 edições do torneio regional. As quatro ausências do clube ocorreram por vontade própria do clube, em 2003, 2010, 2018 e 2019.

Escalação do CSA (melhor: Bilu; piores: 1 Schutz, 2 Yago)
Caíque; Norberto, Alan Costa, Luciano Castán e Rafinha; Yago, Geovane (Jean Kléber, 17/2T) e Renatinho (Jarro Pedroso, 24/2T); Rafael Bilu, Rodrigo Pimpão e Gustavo Schutz (Bruno José, 15/2T). Técnico: Maurício Barbieri

Escalação do Sport (melhores: 1 Barcia, 2 Adryelson, 3 Willian)
Luan Polli; Prata, Adryelson, Cleberson e Sander; Willian Farias, Jean Patrick (Betinho, 24/2T) e Lucas Mugni; Yan (Ewandro, 35/2T), Elton e Leandro Barcia (Alê Santos, 43/2T). Técnico: Guto Ferreira

Histórico geral de CSA x Sport (todos os mandos)
57 jogos
37 vitórias pernambucanas (64,9%)
7 empates (12,2%)
13 vitórias alagoanas (22,8%)

A análise do Podcast 45 Minutos (Cassio Zirpoli, Fred Figueiroa e Lucas Liausu):

Abaixo, assista aos melhores momentos da partida, num vídeo do perfil da Copa do Nordeste.


Compartilhe!