Compartilhe!

A reunião sobre a terceirona na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Foto: Paysandu/Twitter.

O conselho arbitral da Série C resultou na maior mudança no Campeonato Brasileiro de 2020, entre as três principais divisões. No caso da terceira, foi votada a proposta apresentada por Santa (Constantino Júnior), Remo (Fábio Bentes) e Paysandu (Ricardo Gluck) sobre uma mudança no regulamento, o mesmo nas últimas oito edições. Especificamente sobre a fase decisiva, na definição das 4 vagas de acesso. A ideia foi aprovada por maioria de votos entre os 20 representantes, 14 x 6.

Ou seja, não há mais o mata-mata tradicional, com quartas de final, semifinal e final, com a primeira disputa eliminatória valendo, de cara, o acesso. Agora, dando uma chance maior de recuperação, a segunda fase (com os oito melhores) terá dois quadrangulares paralelos, com o acesso disputado em seis rodadas. O número mínimo de jogos por clube segue em 18, mas agora o campeão jogará 26 vezes em vez de 24 – abaixo, os detalhes da nova fórmula.

Achei a mudança interessante. Irá diminuir a emoção na disputa pelas vagas, mas possibilitará que um clube mais regular (e técnico) consiga alcançar o acesso. E a ideia foi articulada justamente pelos três maiores clubes desta edição, tentando evitar novas surpresas – difícil não lembrar do Fortaleza, líder na 1ª fase e eliminado nas quartas em 2014, 2015 e 2016. Com o formato aprovado, 8 dos 20 participantes irão jogar ao menos 24 vezes – anteriormente, apenas os finalistas jogavam tanto na Série C. Foi mais um passo para esticar o torneio. Que num futuro próximo fique nos moldes das Séries A e B, com 38 datas. E o que você achou?

Vale lembrar que os jogos serão exibidos pela DAZN, com 86 transmissões programadas.

Os clubes do Grupo A em 2020
Botafogo (PB), Ferroviário (CE), Imperatriz (MA), Jacuipense (BA), Manaus (AM), Paysandu (PA), Remo (PA), Santa Cruz (PE), Treze (PB) e Vila Nova (GO)

Os clubes do Grupo B em 2020
Boa Esporte (MG), Brusque (SC), Criciúma (SC), Ituano (SP), Londrina (PR), São Bento (SP), São José (RS), Tombense (MG), Volta Redonda (RJ) e Ypiranga (RS)

O novo regulamento da Série C para 2020
Na 1ª fase, os 20 clubes estão separados em dois grupos de 10, com jogos em turno e returno dentro das respectivas chaves – com a CBF regionalizando as chaves. Avançam os quatro melhores de cada grupo, compondo dois quadrangulares em ida e volta – 1A, 2B, 3A e 4B numa chave e 1B, 2A, 3B e 4A na outra chave. Os dois primeiros de cada chave na 2ª fase garantem o acesso, com os líderes se enfrentando na disputa pelo título nacional, também em dois jogos. Ah, não haverá mais a obrigação de capacidade mínima de 10 mil lugares a partir da 2ª fase.

Como foi o regulamento da Série C de 2012 a 2019
Na 1ª fase, os 20 clubes ficavam separados em dois grupos de 10, com jogos em turno e returno dentro das respectivas chaves – com a CBF regionalizando as chaves. Avançavam os quatro melhores de cada grupo, compondo o mata-mata a partir das quartas de final (1A x 4B, 2A x 3B, 1B x 4A e 2B x 3A). E o primeiro duelo eliminatório já valia o acesso o acesso. Depois, a disputa seguia com semifinal e final, sempre em ida e volta.

Leia mais sobre o assunto
A tabela básica da Série C de 2020, com seis clubes do Nordeste no grupo A


Compartilhe!