Compartilhe!

Alexandre Asfora, Aluísio Xavier e Edno Melo

Alexandre, Aluísio e Edno, os candidatos à presidência executiva do timbu no próximo biênio.

A comissão eleitoral do Náutico confirmou a inscrição de três chapas na eleição presidencial para o biênio 2024/2025. Em vez de um cenário polarizado, como visto em muitos clubes de futebol, o alvirrubro manteve o perfil de mais candidaturas na cédula de votação. O pleito desta temporada, agendado para o dia 12 de novembro, será o 5º na história do clube de Rosa e Silva com a participação dos sócios. Antes, num recorte até 2009, apenas os conselheiros podiam votar. No formato atual, portanto, são três eleições com três candidatos, uma com quatro nomes e apenas uma com duas opções.

Sobre o cenário político do clube dos Aflitos, o fracasso no futebol na gestão de Diógenes Braga a partir do segundo semestre de 2022, com o rebaixamento na Série B, a não classificação para a Copa do Brasil no Pernambucano 2023 e a eliminação na 1ª fase da Série C, minaram a possibilidade de reeleição. Ainda assim, numa chapa inscrita nos minutos finais do processo, a “situação” será representada. No caso, por Edno Melo, mandatário do Náutico em dois biênios seguidos, 2018/2019 e 2020/2021. Ambas por aclamação.

O único bate-chapa enfrentado por Edno foi em 2015, quando perdeu de Marcos Freitas por apenas 10 votos, sendo a eleição mais acirrada do trio de ferro. O ex-presidente irá enfrentar Alexandre Asfora, que fez parte da atual gestão, na vice-presidência social, mas que se diz “independente” nesta disputa, e Aluísio Xavier, um candidato de “oposição” mais genuíno.

Menos de 4 mil eleitores em 2023

Embora o Náutico tenha 26.092 sócios ativos, o número atual de associados aptos a votar é bem menor. São apenas 3.794. Na eleição anterior o número foi parecido, com 3.765. Na ocasião, a presença nas urnas correspondeu a 37%, com 1.406 votos computados. Em tese, o pleito deste ano irá definir o responsável pela assinatura da Sociedade Anônima do Futebol (SAF), com a provável venda de 90% das ações. Em setembro, o Náutico avançou a conversa com grupo de investidores para a venda da SAF por quase R$ 1 bilhão.

Os três postulantes ao comando executivo se mostram favoráveis ao modelo, mas não necessariamente à negociação que vem sendo costurada. De toda forma, há uma possibilidade de confirmação da SAF ainda no primeiro semestre de 2024. Ocorrendo, o comando do futebol sairia das mãos do presidente executivo, que ficaria responsável por outras áreas do clube. No futebol profissional, o timbu terá as seguintes competições na próxima temporada: Estadual, Nordestão e Série C, num ano duro.

A seguir, as composições das chapas da eleição executiva e os maiores bate-chapas nos Aflitos.

Chapa “Gestão e Paixão pelo Náutico”
Presidente: Alexandre Asfora
Vice: Diego Rocha
Nº da candidatura: 10

Chapa “Todos pelo Náutico”
Presidente: Aluísio Xavier
Vice: Waldir Mendonça
Nº da candidatura: 40

Chapa “Náutico do Futuro”
Presidente: Edno Melo
Vice: Pablo Vitório
Nº da candidatura: 20

Total de votos nos bate-chapas (e os eleitos)

1º) 2.146 votos para 4 candidatos em 2013 (Glauber Vasconcelos; 73%, oposição)
2º) 1.632 votos para 3 candidatos em 2011 (Paulo Wanderley; 69%, situação)
3º) 1.544 votos para 2 candidatos em 2015 (Marcos Freitas; 50%, oposição)
4º) 1.406 votos para 3 candidatos em 2021 (Diógenes Braga; 76%, situação)
* Considerando apenas as eleições abertas aos sócios

Leia mais sobre o assunto
O histórico sobre as eleições do trio de ferro do Recife; sem consenso nas urnas

Abaixo, veja o parecer da comissão eleitoral do Náutico sobre a próxima eleição executiva.


Compartilhe!