Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

Os clubes na disputa por duas vagas na elite do futebol pernambucano. Imagem: FPF/divulgação.

A primeira reunião para a composição da 2ª divisão do Campeonato Pernambucano de 2021 ocorreu em 26 de maio. Na ocasião, com 19 clubes interessados. Com o processo de habilitação de lá pra cá, incluindo a publicação de balanços financeiros, laudos técnicos e certidões, o número de participantes caiu para 14.

Após o conselho arbitral definitivo na sede da FPF, em 6 de julho, foram confirmados os seguintes times na Série A2: 1º de Maio, América, Atlético, Barreiros, Cabense, Caruaru City, Centro Limoeirense, Ferroviário do Cabo, Íbis, Ipojuca, Pesqueira, Petrolina, Serrano e Ypiranga. Acabaram saindo Decisão, Maguary, Porto, Serra Talhada e Timbaúba.

Desta lista, o tricolor de Caruaru é a maior ausência. Vice-campeão da A1 em 1997 e 1998, o clube vinha sendo figura presente nas disputas locais desde a sua profissionalização, em 1994. Embora tenha apresentado o seu demonstrativo contábil, com uma receita de R$ 322 mil em 2020 (que seria a 2ª maior desta edição), o clube alegou problemas financeiros. Falando na questão financeira, os balanços presentes no sie da federação – ainda que extremamente rasos – mostram que um estreante tende a ser o clube de maior poder econômico. O Caruaru City declarou uma receita de R$ 374 mil na última temporada, quando se filiou à FPF.

Por sinal, o caçula – que não faz parte do “Grupo City” – é a última chance de manter a maior cidade do agreste na primeira divisão em 2022. Caruaru conta com representantes na A1 há 61 anos seguidos, somando Central (59x), Porto (22x) e Atlético Caruaru (15x). Outro clube que deve entrar numa condição melhor que os concorrentes é, acredite, o Íbis. Recentemente, o pior time do mundo firmou o maior patrocínio de sua história. Em tempo: não há cota na A2.

Novo formato na competição e TV
Com 12 datas disponíveis, a Série A2 acontecerá em três fases. A primeira terá dois grupos regionalizados com sete clubes cada, com jogos dentro das respectivas chaves e em turno único – característica de todo o torneio. Avançam os quatro melhores, compondo dois quadrangulares. Desta segunda etapa avançam os dois melhores de cada, compondo o quadrangular final, que vai garantir o acesso ao campeão e ao vice. Ao todo serão 60 jogos, dado acima da elite deste ano, que teve 57. A segundona começa em setembro, com a transmissão de alguns jogos na TV Pernambuco, num acordo também firmado no conselho técnico. A emissora estatal é afiliada à TV Brasil.

A fórmula de disputa da Série A2 de 2021
1ª fase – Dois grupos de 7, com jogos de ida (7 datas; 42 jogos)
2ª fase – Dois quadrangulares, com jogos de ida (3 datas; 12 jogos)
3ª fase – Quadrangular final, com jogos de ida (3 datas; 6 jogos)

Grupo A: América, Atlético, Cabense, Centro Limoeirense, Ferroviário, Íbis e Ipojuca
Grupo B: 1º de Maio, Barreiros, Caruaru City, Pesqueira, Petrolina, Serrano e Ypiranga

As receitas de 2020 dos 14 clubes confirmados na A2 do PE 2021
1º) R$ 374.288 – Caruaru City (sem torneio em 2020)
2º) R$ 253.936 – América (estava na A2)
3º) R$ 187.000 – Ypiranga (A2)
4º) R$ 179.759 – Petrolina (A1)
5º) R$ 105.224 – Centro Limoeirense (A2)
6º) R$ 100.800 – Íbis (A2)
7º) R$ 100.234 – Pesqueira (A2)
8º) R$ 50.000 – Ferroviário do Cabo (A2)
9º) R$ 35.543 – Barreiros (sem torneio)
10º) R$ 22.030 – Cabense (A2)
11º) R$ 5.666 – Atlético (sem torneio)
12º) R$ 2.300 – Ipojuca (A2)
13º) Zero – 1º de Maio (A2)
13º) Zero – Serrano (sem torneio)


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •