Compartilhe!
  •  
  • 9
  •  
  •  

Foi uma experiência válida para os jovens rubro-negros e tricolores. Foto: Santa Cruz/Rafael Melo.

O primeiro clássico pernambucano na temporada “2021” foi marcado, sobretudo, pela farta utilização da base, ainda que por caminhos bem distintos. Seja pela pressão da rivalidade, pelo mau início (ambos vinham com 1 empate e 3 derrotas), pela falta de regularização dos principais nomes, tanto por punição quanto pela demora do trâmite, ou mesmo pelo espaço já obtido por algumas revelações, foram 16 jogadores até o limite Sub 23. A conta é exata, com oito atletas acionados de cada lado, sendo 4 já no time titular. De nomes já conhecidos, como o zagueiro Adryelson, titular numa Série A, a estreantes em clássicos como Marcel, Rodrigo e Simplício.

Esse é um ponto bem interessante deste capítulo do Clássico das Multidões no Arruda, mas não é o único, até porque, no fim das contas, e foi quase no fim mesmo, o empate foi definido pelo jogador mais experiente em campo. Aos 36 anos, o centroavante Pipico marcou de cabeça aos 38 minutos e cravou o placar de 1 x 1 entre Santa e Sport, pelo PE – o camisa 9 chegou a 36 gols em 79 partidas no tricolor. A própria participação de Pipico é um caso à parte, pois começou no banco de reservas, no que parecia ser a continuidade branda da dispensa de dois titulares também experientes – Didira e Paulinho. Porém, ele correspondeu.

Ao entrar no intervalo, ele foi a melhor peça coral, tendo outras duas boas chances no 2T, cuja produção nas alas – até então engolidas pelo adversário – mudou sensivelmente com a entrada de Marcel. Habilidoso, ele ganhou várias jogadas pela ponta direita, forçando a reação. Curiosamente, o gol saiu do outro lado, num cruzamento do também jovem Eduardo.

Àquela altura, o Sport já estava com uma média de idade muito baixa, com todo o setor ofensivo formado por jogadores entre 19 e 21 anos. O jogo do leão, de forma eficiente, existiu de fato na primeira etapa. Após um começo morno, estudado, o visitante passou a controlar as ações, teve um gol mal anulado de Sander (num erro incrível do bandeira) e eventualmente abriu o placar aos 30, com Mikael, que chegou a 3 gols em 4 jogos na temporada, somando os torneios. O atacante, um tanque lá na frente, ainda precisa melhorar a recomposição, e as cobranças de Jair Ventura durante todo o jogo mostram isso. Próximo à área, ele vai ganhando espaço, fazendo o pivô e mostrando um chute potente e preciso. Merece a sequência.

O rubro-negro tentou ampliar até o intervalo. Na volta, acertou o travessão aos 3, numa cabeçada de Marcão, e foi só. Depois, passou trabalhar o placar mínimo – por convicção e, também, pela falta de conjunto, uma contrapartida ao volume da base. Fazendo essa mesma ressalva para o Santa, enxergo uma resposta imediata à decisão da direção, que afastou dois nomes de peso no elenco. Neste cenário, Brigatti, recuperado da Covid-19, acabou aliviado. Por fazer valer a pena o teste e por melhorar, finalmente, com as suas mudanças. Da visão inicial de “convicção a qualquer custo”, desta vez fez três boas mexidas no intervalo.

Reencontro ainda em março, no mesmo local
Dentro de 13 dias os rivais centenários voltam a se enfrentar no Mundão, desta vez pela 6ª rodada da Copa do Nordeste. A tendência é de escalações bem diferentes, a partir de mudanças nos motivos expostos no primeiro parágrafo. Caso não, os jovens corais e leoninos terão nova chance para ganhar cancha, inclusive já subindo o sarrafo sobre as cobranças, algo natural no futebol.

Escalação do Santa Cruz (melhores: Pipico e Marcel; piores: Elicarlos e Simplício)
Martín Rodríguez; Augusto Potiguar, William Alves, Célio Santos e Alan Cardoso (Eduardo, 21/2T); Elicarlos (João Cardoso, intervalo), Caetano (Ítalo Henrique, 40/2T), Felipe Simplício (Marcel, intervalo) e Chiquinho; Léo Gaúcho e Felipe Almeida (Pipico, intervalo). Técnico: João Brigatti

Escalação do Sport (melhores: Mikael e Sander: piores: Patric e Matheusinho)
Luan Polli; Patric, Adryelson, Rafael Thyere e Sander; Marcão, Ronaldo (Ítalo, 14/2T), Ricardinho e Gustavo (Ewerthon, 9/2T); Matheusinho (Luciano Juba, 9/2T) e Mikael (Rodrigo, 36/2T). Técnico: Jair Ventura

Histórico de Santa Cruz x Sport no Arruda
168 jogos
51 vitórias tricolores (30,3%)
65 empates (38,6%)
52 vitórias rubro-negras (30,9%)

Geral: 562 jogos, 233V do Sport, 160E e 169V do Santa

A análise do Podcast 45 Minutos (Celso Ishigami, Felipe Assis e Fred Figueiroa):

Leia mais sobre o assunto
As folhas dos dez clubes do Pernambucano de 2021 somam R$ 4,27 milhões

A tabela do Campeonato Pernambucano de 2021, com turno e mata-mata


Compartilhe!
  •  
  • 9
  •  
  •