Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

Capitão em Maceió, Vinícius marcou o seu 4º gol neste BR. Foto: Tiago Caldas/Náutico.

Sob o comando de Marcelo Chamusca, estreando pelo clube, o Náutico deu fim ao seu pior momento na Série B. Foram seis jogos sem vencer, com cinco derrotas seguidas e com o ataque em branco nas últimas quatro apresentações. Uma acentuada queda de rendimento que fez o time deixar o G4, após 15 rodadas na liderança, com direito à saída de Hélio dos Anjos.

Pois o recomeço aconteceu num jogo complicado, diante de um adversário em boa fase. O CSA de Ney Franco vinha de três vitórias seguidas e projetava a aproximação do grupo de acesso em caso de novo triunfo. Com mudanças pontuais, como Vinícius mais centralizado e Paiva caindo pela ponta, além de uma maior liberdade para o volante Rhaldney, Chamusca armou o timbu com o sistema no qual o time deu mais certo em 2021, incluindo a pressão alta. E o futebol propriamente dito no Rei Pelé acabou sendo bem acima das semanas recentes.

O campeão pernambucano foi superior em quase toda a partida. No 1T, com 60% de posse de bola, segundo o SofaScore, teve 9 x 4 em finalizações. No 2T, o campeão alagoano foi melhor do 1º ao 25º minuto, sendo a única faixa de domínio na noite. Porém, mesmo sob pressão, o Náutico respondeu como já havia feito nesta campanha. O escanteio fechado de Jean Carlos no primeiro pau com Vinicius desviando de cabeça foi parecidíssimo com o gol em São Januário, ainda na 12ª rodada. O que só mostra que há um entendimento em campo, e que há como ser recuperado, apesar dos resultados adversos e dos desfalques de peso.

Após abrir o placar, o timbu retomou o controle, com Alex Alves, bastante exigido, ganhando algum fôlego. No fim do 2T, o scout acabou em 9 x 9, mas com 5 x 3 em chances reais a favor do visitante, cuja vitória por 1 x 0, ainda que magra, foi bastante justa. E num torneio embolado como é, historicamente, a segunda divisão, o triunfo (com o lá e lô sobre o CSA) já foi suficiente para deixar o alvirrubro com “pontuação de G4”, somando 33 em 20 jogos, embora apareça em 6º lugar devido ao saldo de gols (Avaí +7, Guarani +6 e Náutico +5).

Leia mais sobre o assunto
Hélio dos Anjos no turno, Chamusca no returno e a inadiável remontagem do Náutico

Náutico em 20 rodadas na Série B de 2021
Mandante (10 jogos, 18 pts e 60.0%): 5V, 3E e 2D
Visitante (10 jogos, 15 pts e 50.0%): 4V, 3E e 3D

A comparação da campanha com os acessos do timbu na Série B após 20 jogos
1º) 2006 – 35 pontos (10V, 5E e 5D; 2º lugar)
2º) 2011 – 35 pontos (9V, 8E e 3D; 3º lugar)
3º) 2021 – 33 pontos (9V, 6E e 5D; 6º lugar)

Escalação do CSA (melhores: Frigeri e Silas)
Lucas Frigeri; Éverton Slva, Lucão, Maheus Felipe e Bruno Mota; Yuri, Geovane (Gabriel Tonini, intervalo), Silas (Yago, 36/2T), Renato Cajá (Yann Rolim, 41/2T) e Marquinhos (Reinaldo, 18/2T); Dellatorre (Aylon, 18/2T). Técnico: Ney Franco

Escalação do Náutico (melhores: Rhaldney, Alex Alves e Paiva; pior: Tailson)
Alex Alves; Hereda, Camutanga, Rafael Ribeiro e Bryan; Djavan (Marciel, 24/2T), Rhaldney e Jean Carlos (Iago, 41/2T); Tailson (Matheus Carvalho,24/2T), Vinícius (Yago, 45/2T) e Paiva (Guilherme Nunes, 41/2T). Técnico: Marcelo Chamusca

Histórico geral de CSA x Náutico (todos os mandos)
44 jogos
20 vitórias alvirrubras (45,4%)
15 empates (34,0%)
9 vitórias alagoanas (20,4%)

A análise do Podcast 45 Minutos sobre a partida:

Abaixo, assista ao gol da partida, através do perfil oficial da Série B no Twitter.


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •