Compartilhe!
  •  
  • 1
  •  
  •  

O timbu estreou a camisa alternativa desta temporada, azul. Foto: Tiago Caldas/Náutico.

Passou longe de ser a melhor apresentação do Náutico na Série B, apesar da superioridade no scout de posse de bola (55%) e de finalizações (16 x 7), como em outras oportunidades. Só que diante do Brusque, além de ter cedido o empate, o campeão pernambucano viu o adversário ficar a um triz de marcar em outras oportunidade em impedimentos bem ajustados.

Com o empate em 1 x 1, com Kieza no 1T (acabando um jejum de seis jogos) e Alemão no 2T, o timbu manteve a invencibilidade na competição, ampliando o recorde para 14 jogos, considerando a arrancada no BR. Neste jogo nos Aflitos, no entanto, a história passa mais pelas saídas dos dois principais nomes com menos de meia hora. Ambos machucados, deixando o empate em segundo plano.

Jean Carlos saiu sentindo dores na coxa direita e Kieza sentiu dores no tendão do tornozelo direito, após pisar num buraco. Justamente com a tabela imediata. Agora, o timbu vai para o seu pior recorte, com três jogos fora de casa nas quatro próximas rodadas, começando já num confronto direto pela ponta. Eis a sequência: Coritiba (F), Confiança (C), Sampaio (F) e Avaí (F).

A gordura acumulada até aqui em relação ao grupo de acesso, com oito pontos à frente do 5º lugar (faltando ainda alguns jogos na rodada), dá tranquilidade para esses compromissos, de fato. Contudo, a análise completa sobre as possibilidades do Náutico, neste recorte, passa pela recuperação do camisa 10, o maior destaque do torneio, e do camisa 9, o capitão do time. Não é fácil repor na segundona, sobretudo em nomes de qualidade técnica acima da média.

Náutico em 14 rodadas na Série B de 2021
Mandante (8 jogos, 18 pts e 75.0%): 5V, 3E e 0D
Visitante (6 jogos, 12 pts e 66.6%): 3V, 3E e 0D

A comparação da campanha com os acessos do timbu na Série B após 14 jogos
1º) 2021 – 30 pontos (8V, 6E e 0D; 1º lugar)
2º) 2006 – 24 pontos (7V, 3E e 4D; 2º lugar)
3º) 2011 – 23 pontos (6V, 5E e 3D; 6º lugar)

Escalação do Náutico (melhor: Vinícius; pior: Giovanny e Rafinha)
Alex Alves; Bryan, Camutanga, Carlão e Rafinha (Breno, 31/2T); Rhaldney, Matheus Trindade, Marciel e Jean Carlos (Giovanny, 13/2T, e depois Luiz Henrique, 31/2T); Vinícius (Iago, 31/2T) e Kieza (Paiva, 23/2T). Técnico: Hélio dos Anjos

Escalação do Brusque (melhores: Alemão e Mathias)
Zé Carlos; João Carlos (Toty, intervalo), Claudinho, Éverton Alemão e Airton; Zé Mateus, Rodolfo Potiguar (Fillipe Souto, 11/2T), Garcez e Bruno Alves (Diego Mathias, intervalo); Thiago Alagoano (Fio, 51/2T) e Edu (Alex Ruan, 32/2T). Técnico: Jerson Testoni

Curiosidade histórica
Num confronto inédito, o Brusque de Santa Catarina foi o 373º adversário diferente enfrentado pelo Náutico desde 1909, considerando as 4.919 partidas realizadas pelo time principal do alvirrubro.

Leia mais sobre o assunto
Com ideia de torcedor, Náutico define uniforme azul para 2021 após 5 mil votos

A análise do Podcast 45 Minutos sobre a partida (do tempo 0h38 até 1h16):

Abaixo, assista aos gols da partida, através do perfil oficial da Série B no Twitter.


Compartilhe!
  •  
  • 1
  •  
  •