Compartilhe!

Sport 1 x 0 Sampaio Corrêa na Série B 2022

A festa do colombiano, que chegou a 3 gols em 18 jogos no leão. Foto: Anderson Stevens/Sport.

Na Série B, o objetivo principal costuma ser alcançado com campanhas acima de 60 pontos. É assim desde a implantação dos pontos corridos, há 16 anos. É uma caminhada bem longa até o acesso, com alguns fatores sendo determinantes, como o mando de campo. E desperdiçar o fator “casa” logo na largada de 2022, numa semana com duas eliminações, seria um balde de água gelada na relação entre time e torcida no Sport.

Vencer o Sampaio Corrêa era obrigação, ainda que estivesse longe de qualquer facilidade, sobretudo devido à carência técnica do rubro-negro e de algumas escolhas duvidosas de Dal Pozzo – afinal, o Paio veio ao Recife sem peças importantes para a competição. Assim, numa noite de pouco rendimento na Ilha do Retiro, o resultado veio na superação. E a história mostra que vitórias assim também contam muito.

Para isso, foi preciso ter bastante paciência, embora os 6.823 torcedores não tenham tido tanto. No 1T, a falta de movimentação e criatividade resultou num jogo basicamente restrito às inversões dos zagueiros, com alguns cruzamentos na área. O Sport teve o controle da bola, mas, efetivamente, não deu um chute sequer e foi vaiado na ida ao vestiário. Com Juba por dentro, o time perdeu um ponto forte, sem qualquer contrapartida por parte do treinador.

No 2T vieram as mexidas, com Alanzinho voltando a ser opção. Porém, na minha visão, as principais alterações foram as dos gringos, com Blas enfim dando lucidez ao meio-campo (no lugar de Bruno Matias, burocrático, tanto quanto William, que jogou os 90 minutos) e Vanegas num ritmo bem acima dos companheiros. Tecnicamente, ele não foi muito diferente da maioria das apresentações no ano, mas foi preciso na cabeçada, já aos 42 minutos, com a autoria do gol sendo bem justa pelo futebol da equipe no sábado. A suada vitória por 1 x 0 acalma, momentaneamente, um ambiente no qual o Sport costuma ser bastante competitivo.

Na atual formato da segunda divisão, com 38 rodadas e quatro vagas, o leão compete pela 6ª vez. Nas cinco anteriores, subiu em quatro, fracassando só em 2010, quando ainda ficou perto do G4, em 6º lugar. Ou seja, o histórico justifica a festa no apito final, pensada a longo prazo apesar da singularidade desta edição, já reconhecida como a “Maior Série B da História”.

Histórico rubro-negro na Segundona

O jogo na Ilha do Retiro marcou o início da 13ª participação do Sport na segunda divisão do Campeonato Brasileiro, considerando todos os formatos – com acesso no mesmo ano ou na edição seguinte. Foi o 334º jogo do vice-campeão nordestino na competição, com 144V, 101E e 89D. Em 2022 o leão quer repetir os seis acessos de 1980, 1990, 2006, 2011, 2013 e 2019.

Escalação do Sport (melhores: Vanegas e Blas; piores: Bruno e William)
Mailson; Ezequiel, Rafael Thyere, Sabino, Sander; William Oliveira, Bruno Matias (Blas Cáceres), Pedro Naressi (Alanzinho), Luciano Juba; Javier Parraguez (Chico) e Bill (Ray Vanegas). Técnico: Gilmar Dal Pozzo

Escalação do Sampaio Corrêa (melhores: Luís Daniel; pior: Mateusinho)
Luiz Daniel; Mateusinho, Nilson Júnior, Joécio, Pará (Lucas Hipólito); Lucas Araújo, Ferreira, Maurício, Renatinho (Wesley Pionteck); Poveda (Eron) e Pimentinha (Soares). Técnico: Léo Condé

Histórico geral de Sport x Sampaio Corrêa (todos os mandos)
18 jogos
12 vitórias rubro-negras (66,6%)
4 empate (22,2%)
2 vitórias maranhenses (11,1%)

Leia mais sobre o assunto
A tabela de jogos do Sport no Campeonato Brasileiro da Série B de 2022

Abaixo, assista ao gol da vitória rubro-negra, num vídeo do perfil oficial do Sport.


Compartilhe!