Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  

Registros do passado, de locais impossibilitados de novos registros futebolísticos no presente.

Nos primeiros anos do futebol no Recife, na primeira metade do século passado, quase tudo relacionado ao jogo era um desafio. Desde a aquisição da bola de couro à compreensão das novas regras, tendo ainda o enorme empecilho sobre locais específicos. O 1º jogo foi em 22 de junho de 1905, num empate entre Sport e English Eleven, no “Campo do Derby”. Pois o campo ainda existe, em frente ao Comando da Polícia Militar.

Depois surgiram outros locais para a prática do futebol, na era das barras de madeira, como o Campo dos Aflitos, criado pela liga pernambucana, atual FPF, e posteriormente adquirido pelo Náutico, que o transformou em estádio. Derby e Aflitos, dois exemplos vigentes na cidade. Mas e aqueles campos com jogos dos principais clubes na capital pernambucana que eventualmente sumiram? No Grande Recife, considerando os locais mais antigos, existem pelo menos cinco campos/estádios que foram desativados, mudando de cara com o tempo até, em quatro casos, não sobrar qualquer resquício do futebol.

O último deles sumiu no mapa justamente em 2021, dando lugar a um parque. No blog, então, relembro alguns desses campos históricos e extintos, mostrando também a situação atual de cada um – veja no álbum no fim do post. Os campos listados foram criados entre 1909 a 1948.

Leia sobre os campos existentes
Antes do pioneiro Campo do Derby, o enorme Mercado do Derby

A evolução do estádio dos Aflitos, a casa do Náutico em 1,7 mil jogos

British Club (1909)
O Clássico dos Clássicos, o centenário duelo entre Náutico e Sport, é o 3º mais antigo do Brasil. O primeiro jogo, entre mais de 500 já disputados, ocorreu no British Club, o 2º campo da cidade. Não confunda com o Country, vizinho aos Aflitos. Trata-se, na verdade, de uma antiga agremiação criada por ingleses num terreno hoje ocupado por parte do Museu do Estado, nas Graças, e por edifícios na Rua Amélia. Em relação ao pioneiro clássico, o timbu venceu por 3 x 1 – foi, também, o primeiro jogo da história alvirrubra. O local também recebeu a primeira decisão do título pernambucano, com triunfo do Flamengo do Recife em 1915. É o único campo sem foto específica de um jogo de futebol. Na imagem do álbum, de 1907, são sócios do British praticando golfe – também há registro de críquete na época.

Campo da Avenida Malaquias (1918)
Antes da Ilha do Retiro, o Sport teve outro estádio, o primeiro com esse status no Recife. Entre 1918 e 1937, o time atuou 235 vezes no Campo da Avenida Malaquias, logo na esquina com a Avenida Rosa e Silva. Por anos, foi a principal “praça esportiva” da cidade, recebendo até oito mil espectadores. Tudo por causa da estrutura, com 75 metros de comprimento e 40 metros de largura, trazida de navio para a capital pernambucana. Sim, a arquibancada de madeira e ferro foi comprada. No Rio de Janeiro, o Fluminense se desfez de seu antigo estádio após construir as Laranjeiras, na época o maior palco do país. Na Malaquias, o leão ganhou o seu primeiro tricampeonato estadual, em 1925. Ainda vale citar que a Seleção Brasileira jogou cinco vezes por lá, em 1934 – num desses amistosos, o Brasil perdeu para o Santa Cruz.

Campo da Jaqueira (1920)
O América teve três campos na era amadora do futebol pernambucano. Em 1918, o Mequinha passou a tomar conta do histórico British Club. Já em 1920 o alviverde teve a sua principal casa, o Campo da Jaqueira, que também chegou a ser chamado de “América Parque”. Como o nome sugere, ficava onde atualmente existe o Parque da Jaqueira, margeando o Rio Capibaribe. Segundo o pesquisador Carlos Celso Cordeiro, é possível conferir o local exato do antigo campo no parque atual, precisamente no circuito de bicicross, pertinho da Rua do Futuro. Devido a uma crise financeira, já naqueles tempos, o alviverde perdeu o mando da praça esportiva para o Tramways. Então, no primeiro ano do profissionalismo, em 1937, o América assumiu o Campo da Avenida Malaquias, após a mudança do Sport para a Ilha, quase sem arquibancadas na sua inauguração.

Campo de Afogados (1928)
O Santa Cruz perambulou bastante na cidade até chegar ao bairro do Arruda, em 1943. Bem antes do “Alçapão do Arruda”, o avô do Mundão, existiu o Campo de Afogados. O primeiro campo de fato da história coral, na Rua São Miguel, ficava ao lado de sua antiga sede social. Na inauguração, em 8 de dezembro de 1928, o Tricolor realizou um torneio com times suburbanos, num evento com muita gente presente, com ingressos disponibilizados para “cavalheiros”, “crianças” e “carros ocupados” – como mostra a única foto do evento. No fim da festa, registrada nos jornais da cidade, o Santa venceu o Marvelo por 2 x 1, como relata o livro História do Futebol em Pernambuco, de Givanildo Alves. Em Afogados, o clube chegou a disputar um Clássico das Multidões. Hoje, o local abriga o prédio do 14º Batalhão Logístico do Exército, na esquina com a Rua Bezerra da Palma.

Jefferson de Freitas (1948)
Este campo no centro de Jaboatão, na região metropolitana, surgiu já no futebol profissional. O registro mais antigo do Estádio Jefferson de Freitas data de 1948, num endereço bem curioso: site do IBGE. Lá, um registro do bairro, campo, casas e usina. O local passou a receber jogos do Campeonato Pernambucano, de forma regular, nas décadas de 1980 e 1990, através do América, que apesar da sede no Recife tornou-se mandante por lá – o clube sempre foi andarilho, jogando hoje no Ademir Cunha, em Paulista. Com medidas reduzidas, inviabilizando o campo oficial na atualidade, de 105m x 68m, o acanhado gramado acabou ficando restrito a jogos amadores, até a descontinuação da atividade. Seguiu assim até 2020, quando a prefeitura de Jaboatão anunciou a criação de um parque na área do gramado, com a pequena arquibancada sendo a única lembrança. A inauguração do parque de 10 mil m², mantendo 40% de área verde, ocorreu em 25 de fevereiro de 2021, com Jaboatão passando a ser o município mais populoso do país sem clube de futebol em atividade. Voltando ao IBGE, a estimativa atual é de 711.330 moradores.

Abaixo, o álbum de fotos do passado e do presente nos respectivos locais, com quatro deles via Google Maps. Pela ordem, British Club (nas Graças), Avenida Malaquias (Graças/Aflitos), Jaqueira (na Jaqueira), Afogados (em Afogados) e Jefferson de Freitas (em Jaboatão Centro). Para uma melhor visualização, caso esteja num celular, veja com a tela na horizontal.


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •