Compartilhe!
  •  
  • 5
  •  
  •  

Do Sanfrecce, Patric já foi envolvido em outra venda, para o Gamba Ozaka (já sem o Salgueiro).

Em julho de 2017, o Salgueiro emprestou o atacante Patric ao Sanfrecce Hiroshima, do Japão. O atacante amapaense tinha 30 anos quando acertou a volta ao futebol japonês – onde já havia sido eleito o “MVP”, em 2014. Essa transação durou um ano e meio, com a aquisição em definitivo em janeiro de 2019. E aí entra uma situação contábil curiosa. O clube pernambucano foi uma espécie de “ponte” para o jogador neste retorno, sendo a base da questão financeira.

Assim, o Salgueiro oficializou uma operação de R$ 9,245 milhões – ou 1,5 mi de euros, a moeda utilizada. Simplesmente, a 14ª maior venda da história do futebol nordestino e a 2ª maior entre clubes pernambucanos. O valor corresponde a 85% de todo o faturamento do clube sertanejo na última temporada, de acordo com o balanço financeiro oficial do Salgueiro – com receita total de R$ 11,4 milhões, já abordada no blog. Na prática, no entanto, o Salgueiro teve direito a uma verba mínima deste montante. Uma “taxa de vitrine”, nas palavras do presidente José Guilherme, que comentou a negociação em entrevista ao blog.

O clube ficou com 5% do valor, ou R$ 462 mil, com o restante sendo repassado a investidores – pela norma atual da Fifa, os direitos econômicos do atleta só podem ser fatiados por clubes filiados, o que inviabiliza o pagamento direto a grupos financeiros. Portanto, o dinheiro entrou no Salgueiro, foi registrado atendendo às normais contábeis e saiu imediatamente para quitar as pendências com terceiros. Sem alarde, Patric fez história no carcará (fez mesmo?).

Abaixo, um trecho do balanço oficial do carcará sobre 2019, divulgado no site da FPF em 04/09.

Em 10 anos, receita de R$ 17 milhões com vendas
Considerando os dez balanços financeiros já divulgados pelo Salgueiro no site da FPF, de 2010 a 2019, o clube já arrecadou R$ 17.293.605 em transações – hoje, o documento cita como “negociação de atletas”, mas antes o demonstrativo tratava como “repasses do exterior”. Em 2019 o clube também vendeu do atacante Laércio, recebendo R$ 600 mil do Cruzeiro. Como curiosidade, só a negociação de Patric corresponde a 53,4% de todo o apurado com transações nesses dez anos.

O faturamento anual do Salgueiro com venda de jogadores
2010 – zero
2011 – R$ 542.570
2012 – R$ 1.216.767
2013 – R$ 1.199.000
2014 – zero
2015 – R$ 1.332.500
2016 – R$ 1.381.775
2017 – R$ 1.217.500
2018 – R$ 558.493
2019 – R$ 9.845.000

Salgueiro, o 17º clube do NE com venda milionária
A venda de Patric, que já aparece entre as maiores da região, transformou o Salgueiro no 17º clube do Nordeste a negociar um atleta por pelo menos R$ 1 milhão, segundo levantamento do blog. É o 5º clube de PE, sendo o 2º do interior do estado. O pioneiro foi o Porto, que recebeu R$ 5,1 mi do Spartak Moscou, em 2012, com um percentual da venda do volante Rômulo, realizada pelo Vasco.

As maiores vendas realizadas pelos clubes do Nordeste (valores nominais, até 04/09/2020)
1º) R$ 16,03 mi – Lucas Ribeiro, em 2020 (Vitória/Hoffenheim-ALE)
2º) R$ 14,50 mi – Zé Rafael, em 2018 (Bahia/Palmeiras)
3º) R$ 12,90 mi – Arthur Cabral, em 2020 (Ceará/Basel-SUI)
4º) R$ 12,67 mi – Bruno Paulista, em 2015 (Bahia/Sporting-POR)
5º) R$ 12,07 mi – Jean Filho, em 2017 (Bahia/São Paulo)
6º) R$ 11,75 mi – Diego Rosa, em 2020 (Vitória/Manchester City-ING)
7º) R$ 10,45 mi – Everton Cebolinho, em 2020 (Fortaleza/Benfica-POR)
8º) R$ 10,00 mi – Gabriel Paulista, em 2013 (Vitória/Villarreal-ESP)
8º) R$ 10,00 mi – André, em 2018 (Sport/Grêmio)
10º) R$ 9,84 mi – Dudu Cearense, em 2004 (Vitória/Kashiwa Reysol-JAP)
11º) R$ 9,50 mi – Júnior Brumado, em 2019 (Bahia/Midtjylland-DIN)
12º) R$ 9,45 mi – Cléber Santana, em 2005 (Vitória/Kashiwa Reysol-JAP)
13º) R$ 9,41 mi – Adailton, em 2004 (Vitória/Rennes-FRA)
14º) R$ 9,24 mi – Patric, em 2019 (Salgueiro/Sanfrecce Hiroshima-JAP)

Número de vendas milionárias por clube do NE (131 nomes até 31/08/2020)
1º) 30x – Bahia
2º) 28x – Vitória
3º) 23x – Sport
4º) 13x – Náutico
5º) 11x – Ceará
6º) 8x – Santa Cruz
7º) 5x – Fortaleza
8º) 3x – Corinthians Alagoano
9º) 2x – ABC
10º) 1x – ASA, Botafogo-PB, Campinense, CRB, Globo, Porto, Salgueiro e Sampaio Corrêa

Leia mais sobre o assunto
Balanço do Salgueiro em 2019 cita receita de R$ 11 milhões, a maior do interior de PE


Compartilhe!
  •  
  • 5
  •  
  •