Compartilhe!

Ao todo, foram 93.766 lugares liberados, de um total de 111.995 à disposição no trio, ou 83,7%.

Os três estádios particulares do Recife conseguiram os quatro laudos técnicos necessários para a liberação em 2020 – após vistorias do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, da Vigilância Sanitária e de um engenheiro. O último a obter a autorização foi a Ilha do Retiro, com a “estreia” em 4 de fevereiro, com Sport x Retrô. Aspas necessárias porque a liberação foi feita com ressalvas.

Hoje, a capacidade máxima de ingressos nos três palcos é menor em relação à capacidade máxima das estruturas. Não me refiro aos recordes de público, mas às últimas inspeções do Ipem, o Instituto de Pesos e Medidas de Pernambuco. No caso, a diferença se deve às questões de segurança, tanto dos bombeiros quanto da PM. A seguir, a setorização oficial deste ano.

Confira os laudos oficiais desta temporada: Arruda, Ilha do Retiro e Aflitos.

Arruda (José do Rego Maciel, Santa Cruz)
55.582 lugares liberados (em 13/01/2020)
92,5% do total atual (60.044 assentos)
96.990 pessoas, o recorde de público (em 1993)

A atual setorização tricolor
932 (igual*) – Conselho/Tribuna/Camarotes
5.950 (igual) – Cadeiras
7.300 (igual) – Sociais
21.400 (igual) – Anel inferior
20.000 (de 25.000) – Anel superior
* Considerando a capacidade máxima

O estádio do Santa é o mais “estável” neste quesito. A capacidade máxima de 60 mil foi calculada em 2012, mas desde 2013 a carga total não é utilizada – desde Santa x Betim, no mata-mata do acesso na Série C, com 60.040 espectadores. Até porque depois o estádio chegou a perder 10 mil lugares. Nos últimos anos, voltou a subir, para 55 mil, recorrente. Em 27/09/2016 o clube chegou a firmar um Termo de Ajustamento de Conduta, com o Ministério Público de Pernambuco (junto ao Sport), para realizar obras reparadoras, visando a capacidade máxima. Ainda não finalizou.

Ilha do Retiro (Adelmar da Costa Carvalho, Sport)
26.418 lugares liberados (em 30/01/2020)
80,0% do total atual (32.983 assentos)
56.875 pessoas, o recorde de público (em 1998)

A atual setorização rubro-negra
0 (de 1.438) – Camarotes*
5.311 (igual) – Cadeira central
2.050 (igual) – Cadeira de ampliação (Curva de Dubeux)
2.076 (igual) – Assento especial (Curva de Wanderson)
3.500 (igual) – Sociais
5.373 (igual) – Arquibancada frontal
2.656 (de 4.582) – Arquibancada lateral do placar
5.452 (de 6.653) – Geral (tobogã da sede + arquibancada lateral da sede)
0 (de 2.000) – Visitante (tobogã do placar)*
* Posteriormente, liberados para 682 (camarotes) e 2.900 (visitantes), totalizando 30.000

O estádio do Sport sofre uma verdadeira “metamorfose” em termos de capacidade. Desde o cálculo máximo de 32,9 mil, estabelecido em 2013, o clube já foi obrigado a promover várias reduções devido aos problemas com acesso e saída de torcedores. Embora a última vistoria tenha mantido o dado de 30 mil, o mesmo desde 2018, o clube começou o ano podendo receber no máximo 26.418 torcedores – no caso, com redução na área de camarotes e no tobogã visitante (neste setor era preciso demolir o muro central, o que ocorreu). Inicialmente, a orientação foi estimada até 30/03.

Aflitos (Eládio de Barros Carvalho, Náutico)
11.766 lugares liberados (em 10/01/2020)
62,0% do total atual (19.600 assentos)
31.613 pessoas, o recorde de público (em 1970)

A atual setorização alvirrubra
2.057 (de 3.530) – Cadeiras
4.354 (de 6.006) – Vermelho (arquibancada central)
3.304 (de 4.440) – Hexa (barra da Angustura)
1.127 (de 2.048) – Caldeirão (barra do Country)
924 (igual) – Visitante

Nos últimos anos, o estádio alvirrubro passou pela maior reforma estrutural entre os três palcos. Na reabertura, em dezembro de 2018, a meta do Náutico era liberar 19.600 lugares, o nº de assentos do projeto de modernização. Contudo, os órgãos competentes autorizaram apenas 18.968, mas apenas para o jogo de abertura. Para partidas oficiais, com duas torcidas, o limite caiu para 16.948. A vistoria em 2020 provocou outra redução, com 5.182 lugares a menos – neste caso, o clube pode retomar o dado anterior (de 16,9 mil) em caso de cumprimento dos reparos exigidos.

Leia mais sobre o assunto
Orçamento em 2020: Sport volta à Série A abaixo do patamar de R$ 100 milhões

Orçamento em 2020: Santa Cruz estima a maior receita desde a Série A, há 4 anos

Orçamento em 2020: Náutico tem maior cifra em 7 anos, sendo conservador


Compartilhe!