Compartilhe!

Alguns dos “frames” sobre os momentos decisivos mais polêmicos do futebol pernambucano.

Os dois jogos da final de 2021, entre Náutico e Sport, terão o apoio do árbitro de vídeo. Será o primeiro clássico decisivo com o recurso do VAR na história do futebol pernambucano. A experiência anterior, pioneira e polêmica, envolvendo Sport e Salgueiro, em 2017. Num resgate específico sobre os clássicos envolvendo alvirrubros, rubro-negros e tricolores, relembro seis decisões do PE com lances que poderiam ter mudado a história da partida – ou até do campeão.

Subjetividade à parte (faltas, expulsões etc), os lances objetivos são os mais recorrentes em jogos decisivos. Aqui, alguns exemplos discutíveis no Campeonato Pernambucano, nos quais um gol (irregular ou mal anulado, em tese) decidiu quem levou a taça. E o levantamento trata apenas deste critério, entre as finais com arquivos audiovisuais, vários deles inconclusivos.

O Clássico dos Clássicos desta temporada, nos dias 16 e 23 de maio, marca a 73ª final em 107 edições da competição local. Na história, existiram várias outras polêmicas, a favor e contra os três clubes, mas relatadas apenas em textos de jornais ou via memórias de torcedores. Contudo, a ideia aqui é retratar aqueles jogos nos quais o simples uso da imagem disponível, e não da interpretação, seria suficiente (ou não…) para tirar a dúvida durante a partida.

Sobre o VAR, o recurso atua em cinco pilares de revisão:
– Foi gol / Não foi gol
– Foi pênalti / Não foi pênalti
– Cartão vermelho direto indevido
– Identificação errada do jogador punido
– Em caso de impedimento, a correção é feita quando o lance resulta em gol

Leia mais sobre o assunto
Náutico e Sport decidem o Estadual pela 19ª vez. Em 2021, tabu histórico em jogo

Análise: VAR e árbitro da Fifa na final do Pernambucano. Era o mínimo e foi feito

A seguir, em ordem cronológica, algumas das finais mais polêmicas. Lembra de mais alguma?

18/12/1983 – Santa Cruz (6) 1 x 1 (5) Náutico – O pênalti de Porto foi gol?
No último Supercampeonato, o troféu só foi entregue após uma disputa de pênaltis, a primeira da história do Estadual. Sob os olhares de 76 mil pessoas no Mundão, foram 16 cobranças, com o alvirrubro desperdiçando três, uma a mais que o tricolor. Contudo, ficou a polêmica sobre o chute do atacante alvirrubro Porto. Passou ou não da linha? Na época, houve uma filmagem atrás do gol, exibida no Globo Esporte no dia seguinte. Pela imagem disponível naquele jogo, não parece ter passado. Contudo, haveria, com o VAR, uma câmera bem na linha.

27/051990 – Santa 0 x 1 Sport – Gol mal anulado do Sport?
Após a derrota por 1 x 0 na Ilha, o Sport devolveu o placar no Arruda, diante de 58.860 espectadores. Com isso, a decisão se estendeu à prorrogação, com o empate a favor dos corais. Aos 3 minutos do 2º tempo extra, porém, o zagueiro Márcio Alcântara chegou a marcar o gol que daria o título ao rubro-negro, mas o bandeirinha Gilson Cordeiro assinalou impedimento. Sobre o lance, vale frisar que na época a “mesma linha” era impedimento – a regra mudaria em 1991. Sobre a câmera do jogo, a imagem foi feita da cabine central do Arruda, sem imagens das “linhas de impedimento”, próximas às áreas, coisa comum hoje em dia.

13/12/1992 – Sport 1 x 0 Náutico – Gol mal anulado do Náutico?
Em um campeonato equilibrado, o Clássico dos Clássicos terminou com uma vitória por 1 x 0 para cada lado. No segundo jogo, com 40.419 torcedores na Ilha, o alvirrubro precisava vencer na prorrogação, após o revés no tempo regulamentar, com um gol de Dinda. E o visitante chegou a marcar, com Ocimar, num chute cruzado, mas o gol foi anulado, com a arbitragem enxergando impedimento. Assim como na final de 1990, só havia a câmera central.

13/05/2012 – Sport 2 x 3 Santa Cruz – Gol em impedimento do Santa?
Numa final movimentada, os corais abriram o placar logo aos 12 minutos. Branquinho recebeu uma enfiada de bola de Caça-Rato e tocou na saída de Magrão. No entanto, o atacante tricolor estava adiantado – com a imagem da TV mostrando num ângulo inexistente até a década de 1990. Logo depois, o leão até empatou (jogava pelo empate), mas não teve boa atuação frente ao rival.

04/05/2016 – Santa Cruz 1 x 0 Sport – Gol em impedimento do Santa?
Em 180 minutos de bola rolando nas finais, apenas um gol, aos 30 minutos do primeiro jogo, disputado no Arruda. O lance capital começou com Arthur cruzando rasteiro, seguindo com Grafite tocando a bola e Lelê completando. Porém, o Grafa estava em posição de impedimento, com o replay do jogo, transmitido ao vivo, mostrando um tira-teima da Globo. Como curiosidade, vale dizer que dois empates em 0 x 0 teriam levado a disputa às penalidades, na Ilha.

14/09/2019 – Náutico 0 x 1 Sport – Gol em impedimento do Sport?
No jogo de ida daquela decisão, o leão venceu com um gol irregular. No início da jogada, Sander estava adiantado, quando recebeu a bola, com a jogada terminando no gol de Ezequiel, aos 35 do 2º tempo. O lance só foi mostrando minutos depois do gol, com a revisão das várias câmeras da transmissão. Na volta também teve polêmica, mas em dois lances interpretativos. No primeiro gol do Sport, com a discussão se foi pênalti ou não, e no empate do Náutico, se houve falta e/ou mão na jogada. Ambos seriam analisados pelo VAR, mas não entram no contexto de “lances objetivos”.

E vale relembrar também a estreia do VAR na final do Campeonato Pernambucano…

28/06/2017 – Salgueiro 0 x 1 Sport – Gol mal anulado do carcará?
Em caráter experimental, o árbitro de vídeo foi utilizado pela primeira vez no país justamente nas finais do Pernambucano de 2017. E com polêmica nas duas partidas. Na ida, o Salgueiro empatou na Ilha com num pênalti aos 56/2T, após revisão do VAR – porém, foi um lance foi interpretativo, que não é o foco do post. Na volta, o carcará chegou a abrir o placar com Álvaro, aos 25/2T, mas o assistente alegou que a bola já havia saído na cobrança de escanteio. Assim, o árbitro de campo acionou o árbitro de vídeo, que na ocasião utilizou as mesmas imagens da transmissão da Rede Globo. O print é este abaixo, com o círculo vermelho feito pelo blog indicando a bola. Conclusivo? Não mesmo. A confusão aumentou porque logo depois o Sport fez um gol e acabou campeão. E o VAR só voltou às finais locais após quatro anos. Por menos polêmica e mais futebol. A conferir…


Compartilhe!