Compartilhe!

Caso a ideia seja oficializada, o palco em São Lourenço receberia a decisão pela 3ª vez em 7 anos.

Faltam 17 jogos para acabar o Campeonato Pernambucano, sendo 5 pela última rodada da fase classificatória, 6 pelo quadrangular do rebaixamento e 6 pelo mata-mata, com a disputa real pelo título. A competição ainda não tem data para voltar, com a FPF querendo já no fim de junho, enquanto os principais clubes projetam a retomada só em julho. Paralelamente a isso há uma conversa inicial sobre a fase decisiva, com os confrontos válidos pelas quartas de final, semifinal e final. No caso, para tentar levar todas essas partidas eliminatórias para a Arena Pernambuco.

Seriam quatro datas por lá, com rodadas duplas tanto nas quartas e quanto na semi, uma vez que essas fases ocorrem em jogos únicos, e mais duas datas para a decisão de 2020, a única etapa da competição em ida e volta. A possibilidade foi revelada pelo presidente do Náutico, Edno Melo, durante a entrevista ao Podcast 45 Minutos. Segundo o dirigente alvirrubro, a conversa aconteceu com o diretor de competições da FPF, Murilo Falcão, em 7 de junho.

Edno Melo
“A federação ventilou a possibilidade de que as quartas de final, as semifinais e as finais sejam disputadas na Arena Pernambuco, com sede única, porque teria uma quantidade de público menor e teria como controlar mais. Não está definido, mas existe a possibilidade”.

A ideia é semelhante ao provável modelo a ser aplicado no Campeonato Cearense, com jogos no Castelão. Lá, já com o aval do governo do estado, todas as partidas tendem a ocorrer na arena, não só as do mata-mata. Em Pernambuco, porém, ainda faltam alguns passos, como o próprio contato com o governo estadual, conforme dito pelo mandatário da federação pernambucana, Evandro Carvalho. Questionado pelo blog sobre o assunto, Evandro disse que ainda não tratou do assunto com os clubes. Foi a segunda vez que perguntei a Evandro sobre o tema. A anterior foi em 18 de maio, quando o jornal O Povo trouxe a informação sobre a situação do Cearense. Haveria algum paralelo local? Evandro não se mostrou tão otimista.

Evandro Carvalho
“Pouco provável para nós. Esse é um plano B ou C aqui. Lá (no CE), eles estão com dificuldades de estádios, nós não. O custo-benefício em relação ao deslocamento do interior para o Recife não está claro”.

Duas semanas depois desta declaração, houve o contato entre FPF e clubes, mesmo que não tenha partido diretamente do presidente. A justificativa sobre o palco único, tendo outros três no Recife, se deve ao processo de desinfecção e higienização, pois toda ação de combate à proliferação do Coronavírus ficaria restrito a um local neutro, também o mais estruturado. Em relação ao público não deve fazer diferença, pois os jogos voltar de portões fechados – pelo cronograma do governo, a fase 1 do retorno será com treinos presenciais, com jogos sem público na fase 2, jogos com público limitado na 3 (a final?) e um protocolo a definir na 4.

Particularmente, achei a ideia interessante, sobretudo pela atenção à saúde. O que você achou?

As 71 finais na história do Estadual (1915-2019)*
29x – Ilha do Retiro
16x – Arruda
15x – Aflitos
3x – Jaqueira e Avenida Malaquias
2x – British Club e Arena Pernambuco**
1x – Cornélio de Barros
* O campeão saiu sem precisar de final em 34 edições
** Títulos de Sport (2014) e Náutico (2018)

Leia mais sobre o assunto
FPF define protocolo sobre treinos com mais de 20 medidas de segurança sanitária

Todas as voltas olímpicas no Campeonato Pernambucano, do British Club ao Sertão


Compartilhe!